A Consagração da Rússia

“Virei pedir a consagração da Rússia a Meu Imaculado Coração... Se atenderem a Meus pedidos, a Rússia se converterá, e terão paz.”

Na aparição de 13 de Julho, Nossa Senhora avisou os três videntes que se as pessoas não parassem de ofender Deus, Ele castigaria o mundo "por meio da guerra, da fome, e da perseguição da Igreja e do Santo Padre," usando a Rússia como o seu "instrumento escolhido de castigo." Disse às crianças que "para evitar isto, virei a pedir a Consagração da Rússia ao Meu Coração Imaculado" e prometeu que, por meio de este ato singular e público, a Rússia seria convertida e a paz seria dada ao mundo.

A Mãe de Deus avisou que se os seus pedidos não forem concedidos, “A Rússia espalhará seus erros pelo Mundo, promovendo guerras e perseguições à Igreja. Os bons serão martirizados, o Santo Padre terá muito que sofrer, várias nações serão aniquiladas.”

Cumprindo a Sua palavra, Nossa Senhora reapareceu à Irmã Lucia a 13 de Junho de 1929 em Tuy, Espanha, quando numa grande visão sublime representando a Santa Trindade anunciou que “é chegado o momento em que Deus pede para o Santo Padre fazer, em união com todos os Bispos do Mundo, a consagração da Rússia ao Meu Imaculado Coração, prometendo, por este meio, salvá-la.”

Quando Deus mandou Nossa Senhora levar o seu mandato que a Rússia fosse consagrada, parece evidente que contava com a obediência imediata do Papa e dos bispos. Os pastores da Igreja, contudo, eligiram demorar-se, e a 19 de Agosto de 1931 Nosso Senhor apareceu em pessoa à Irmã Lucia em Rianjo, Espanha, e expressou o seu desgosto, dizendo: "faz saber aos meus ministros que, dado que seguem o exemplo do Rei da França em adiar o meu mandato, seguiram também na aflição."

O aviso de Nosso Senhor é de fato grave, referindo-se ao Seu mandato, através de Santa Margarida Maria Alocque, ao Rei de França que consagrasse o seu país ao Coração Sagrado de Jesus. O rei decidiu ignorar o mandato e assim condenou a sua dinastia e o seu trono aos terrores da revolução, do caos e da guilhotina.

O pedido da Santa Virgem pela consagração da Rússia continua sendo um dos aspectos mais controversiais da Mensagem de Fátima inteira. Enquanto vários papas têm realizado consagrações do mundo desde que o pedido se fez público, (incluso o Papa João Paulo II em 1982 e em 1984), lamentàvelmente, nenhum deles realizou as instruções específicas dos pedidos de Nosso Senhor e de Nossa Senhora. Em visitas repetidas à Irmã Lúcia, o Rei e a Rainha do Céu insistiram que é a Rússia (e só a Rússia) que deve ser o objeto de este ato público de obediência e oração. Além do mais, Nosso Senhor e Nossa Senhora indicaram que o Santo Padre deve unir-se a todos bispos do mundo no ato de consagração, no mesmo dia e à mesma hora nas suas respectivas dioceses. De maneira interessante, só a consagração do mundo do Papa Pio XII em 1942 incluiu o envolvimento substancial dos bispos. A Irmã Lúcia escreveu que este ato de obediência imperfeito, embora não realizasse o pedido de Nossa Senhora, contudo acelerou o fim da Segunda Guerra Mundial, poupando assim as vidas de dezenas de milhões de almas.

Em resposta à pregunta da Irmã Lúcia de porque Ele não converteria a Rússia sem que o Santo Padre consagrasse a Rússia ao Coração Imaculado de Sua Mãe, Nosso Senhor respondeu “Porque quero que toda a Minha Igreja reconheça essa consagração como um triunfo do Coração Imaculado de Maria para depois estender o Seu culto e pôr, ao lado da devoção do Meu Divino Coração, a devoção deste Imaculado Coração.”

12 Perguntas que se Fazem Frequentemente acerca da
Consagração da Rússia ao Imaculado Coração de Maria

     Para mais informação sobre a Consagração da Rússia

     Pedir ao Papa que consagre a Rússia como pediu Nossa Senhora

     Uma Suplica ao Nosso Santo Padre