A Irmã Lúcia e O Escapular Castanho

A 13 de Setembro de 1917, a Virgem de Fátima tinha anunciado às três crianças a vinda de Nossa Senhora de Monte Carmelo no mês seguinte. A 13 de Outubro, durante o fechar do ciclo das aparições, quando tinha já terminado a conversa entre a Irmã Lúcia e Nossa Senhora do Rosário e enquanto a multidão contemplava o milagre cósmico e grandioso, os três pastorinhos desfrutaram de várias visões. Admiraram no céu três retratos sucessivos, dos quais o último foi Nossa Senhora de Monte Carmelo lembrando os mistérios gloriosos do Rosário. Essa mesma noite Lucia contou a sua visão ao Cônego Formigã o: no fim, a Virgem que me apareceu "parecia ser a Virgem de Monte Carmelo."

No fim dos anos 40, em conversa com três padres carmelitas, o Padre Donald O'Callagham, o Padre Albert Ward e o Padre Luis Gonzaga de Olveira, a Irmã Maria Lúcia do Coração Imaculado (mais bem conhecida como a Irmã Lúcia) lembrou que a Santa Virgem Maria desejava que fosse propagada a devoção ao Santo Escapular. Se Nossa Senhora, durante a Sua última aparição, o segurou nas suas mã os, foi para nos urgir que o usássemos, tal como nas aparições precedentes a presença do Rosário tinha evidentemente manifestado os desejos do Seu Coração.

A mensageira dos Céus também o explicou ao Padre Howard Rafferty quando o cura a interrogou em nome do Padre General dos Carmelitas, a 15 de Outubro de 1950: "Nossa Senhora," disse Lúcia, "segurava o escapular nas mã os porque quere que todos o usemos."