– RELATÓRIO ESPECIAL –

O Encobrimento do Terceiro Segredo por Bertone Continua a Desenvolver-se

“Recorrem à força porque não têm respostas”


26 de Setembro de 2007: Fort Erie (Canadá):  The Fatima Center, o maior apostolado do mundo a promover a Mensagem de Fátima na sua integridade, ficou indignado ao saber da agressão ao Dr. Antonio Socci e ao Dr. Solideo Paolini. Estes dois jornalistas italianos, cujas investigações os levaram a concluir que o Terceiro Segredo ainda estava por revelar na sua totalidade, foram atacados fisicamente num acontecimento recente, dirigido pelo Secretário de Estado do Vaticano, Cardeal Bertone.

A Cerimónia do Cardeal Bertone

Na Sexta-Feira, 21 de Setembro, o Cardeal Bertone fez uma apresentação oficial do seu livro L’Ultima Veggente di Fatima (A Última Vidente de Fátima). Teve lugar na Pontifícia Universidade Urbaniana em Roma, e estiveram presentes dignitários do Governo, banqueiros, prelados do Vaticano e membros da Imprensa.

Estavam também presentes Antonio Socci, autor de Il Quarto Segreto di Fatima (O Quarto Segredo de Fátima), e Solideo Paolini, autor de Não Desprezeis a Profecia. Ambos os autores demonstram que há razões para crer que ainda resta uma parte do Segredo para ser revelada.

Como o Dr. Socci é um jornalista conhecido e uma personalidade da televisão, o seu livro (publicado em Novembro de 2006) deu muito que falar na Itália e em todo o mundo. O livro A Última Vidente de Fátima, do Cardeal Bertone,foi uma tentativa, embora falhada, de refutar a tese principal do livro de Socci.

O Testemunho Sólido do Arcebispo Capovilla

Além de muitos outros indicadores de que o Terceiro Segredo não tinha sido totalmente revelado, o livro de Socci contém o testemunho do Arcebispo Capovilla, secretário pessoal do Papa João XXIII, que estava com este Papa quando ele leu o Segredo.

O Arcebispo Capovilla admitiu (em Julho de 2006) ao Dr. Solideo Paolini que havia, de facto, dois textos diferentes mas complementares do Terceiro Segredo: um que se conservava no Santo Ofício, e outro que estava nos apartamentos papais. Esta informação foi publicada no livro de Socci.

Depois de o livro ser publicado, o Dr. Socci recebeu uma carta pessoal do Papa Bento XVI a agradecer-lhe o livro e a louvar os sentimentos que inspiraram Socci a escrevê-lo.Nos dez meses que se seguiram à publicação do livro de Socci, o Arcebispo Capovilla não voltou atrás no que disse, embora Solideo Paolini tivesse apontado, numa comunicação que fez (em Agosto de 2007) na conferência “O Único Caminho para a Paz Mundial”, organizada pelo Fatima Center no Brasil, que o Arcebispo estava sob pressão do Vaticano por causa do que disseram com respeito ao Segredo.

A Não-Negação do Arcebispo Capovilla

O Dr. Paolini visitou Capovilla novamente em 21 de Junho de 2007, quando o Arcebispo estava a preparar um relatório escrito, consistindo de documentos, fotocópias e vários papéis. Capovilla disse que “eram coisas a que tenho de responder.” Paolini, que viu a correspondência, anotou: “Parecia que o Vaticano lhe tinha pedido para apresentar um dossier completo sobre as suas declarações; foi como se lhe tivessem dito: ‘O que é que lhe disse, exactamente? E porquê?’”

Assim, não surpreendeu o facto de que, na apresentação do Cardeal Bertone de 21 de Setembro, foi projectado à audiência um pequeno clip de vídeo de Capovilla, dando a impressão de que se tinha retractado.

A entrevista filmada foi dirigida pelo jornalista Giuseppe De Carli (co-autor do livro do Cardeal Bertone), e partes dela já tinham aparecido na semana anterior no Telegraph de Londres, e na Itália, curiosamente, nas páginas de Donna Diva, uma revista feminina de mexericos.

Na entrevista filmada, o Arcebispo parecia admitir que as quatro páginas apresentadas pelo Vaticano em 2000 eram, de facto, as páginas que vira em 1959. Ora nenhum comentador sério do Segredo tinha alguma vez sugerido que as quatro páginas não eram autênticas, mas sim que o que o Vaticano tinha revelado estava incompleto.

O Arcebispo também disse: “Nunca me passou pela cabeça que pudesse haver um quarto segredo. Ninguém me disse tal coisa, e eu nunca disse coisa semelhante.”

Mas a frase “quarto segredo de Fátima” não passa de um termo jornalístico inventado pelo Dr. Socci para indicar a parte do Terceiro Segredo que ele acredita, aduzindo factos e razões, que ainda falta revelar. Socci nunca disse que existe um verdadeiro “Quarto Segredo”. Assim, Capovilla disse a verdade quando afirmou que não existe nada a que se chame um “quarto segredo.”

Capovilla nunca disse categoricamente que as quatro páginas divulgadas pelo Vaticano compreendem todos os escritos da Irmã Lúcia sobre o Segredo. Por isso, Capovilla, devido a pressões evidentes do Vaticano, faz um desmentido aparente, mas não uma verdadeira retractação do que declarou a Paolini.

O Dr. Socci Procura Toda a Verdade — e é Agredido

Contudo, Socci e Paolini não chegaram a ver o filme de Capovilla por causa de um incidente infeliz, antes do início da conferência.

Pouco antes de ter começado, já dentro do auditório, o Dr. Socci pediu ao Padre Federico Lombardi, Director da Agência de Imprensa do Vaticano, que lhe desse licença para falar ao Cardeal Bertone. O Padre Lombardi recusou, insistindo que o Cardeal não responderia a perguntas.

Como se lê no jornal diário Il Riformista: “Socci pediu educadamente que lhe deixassem fazer uma única pergunta ao Cardeal, a que o prelado podia responder com um simples sim ou não. A pergunta era para ser a seguinte: ‘Eminência, está pronto a jurar sobre os Evangelhos que a famosa frase de Nossa Senhora, contida no Terceiro Segredo de Fátima que o Vaticano publicou no ano 2000 (“Em Portugal se conservará sempre o dogma da Fé, etc.”), não é seguida de mais nada?’”

Socci e Paolini dirigiram-se então à entrada da “Aula Magna” (o “grande auditório” da Universidade), para falar com o Cardeal logo que ele chegasse. Ao ver o Dr. Socci, o Cardeal Bertone escapou por uma entrada lateral para evitar as suas perguntas.

Os jornalistas ali presentes começaram então a fazer perguntas a Socci sobre o que tinha acabado de acontecer. Nesse momento,  seguranças do Vaticano abordaram o Dr. Socci, exigindo-lhe que deixasse de falar aos jornalistas, e mandaram a Socci e Paolini que fossem embora. Quando Socci respondeu, explicando que era apenas um jornalista que tinha direito a estar ali, começaram a empurrá-los e a afastá-los à força.

“É um ultraje,” disse Socci, segundo Il Corriere della Sera, “Só queria fazer uma pergunta de um minuto e obter uma resposta rápida: sim ou não. Mas o Cardeal Bertone, tendo sido avisado da minha presença, foi por uma porta de serviço e entrou directamente na sala de conferências. Foi uma táctica estranha que fez com que os presentes se rissem [de Bertone].”

“Depois disso”, continuou o Dr. Socci, “três seguranças do Vaticano empurraram-me para fora do local, dizendo que não podia ser entrevistado ali. Uma cena ridícula, que chocou todos os meus colegas que estavam presentes, e que também me espantou, porque sou um grande defensor do Vaticano”.

Mais Provas Documentais do Dr. Solideo Paolini

Solideo Paolini, que estava com o Dr. Socci, foi também vítima de um tratamento brutal às mãos dos seguranças do Vaticano, que lhe arrancaram o telemóvel com tal força que lhe feriram a mão.

O Dr. Paolini tem uma gravação do Arcebispo Capovilla, em que este admite que há, de facto, dois textos diferentes do Terceiro Segredo. O Dr. Socci estava a tocar a gravação para os jornalistas quando foi expulso do local pelos seguranças.

O periódico italiano Il Giornale relatou: “Socci tocou para os jornalistas presentes uma gravação com a voz de Capovilla que, em 21 de Junho de 2007, dissera ‘Há mais alguma coisa, além das quatro páginas, um apêndice, sim.’ Palavras estas que reforçam a teoria da existência de uma segunda folha de papel com a interpretação do Segredo.”

Recurso à Força Bruta

John Vennari, editor do Catholic Family News, observou que “O acontecimento de 21 de Setembro na Urbaniana parece ser uma tentativa da parte de Bertone de usar em pleno o peso do poder e prestígio do Vaticano para confirmar que já foi revelado todo o Segredo.

“A fuga de Bertone de Socci e Paolini, a sua recusa a responder a questões honestas, e o tratamento brutal que estes dois jornalistas receberam da Segurança do Vaticano não podem deixar de reforçar a convicção de que Bertone tem alguma coisa a esconder em relação à divulgação integral do Terceiro Segredo,” disse Vennari.

“Não é a primeira vez que acontece este tipo de incidente,” disse Coralie Graham, editora de The Fatima Crusader. “Eles parecem estar dispostos a usar força bruta para silenciar os mensageiros. Antonio Socci está agora a receber o tratamento ‘Padre Gruner’, ao ser insultado pelos funcionários do Vaticano e sofrer violência às mãos dos seguranças do Vaticano. De que é que eles têm medo?”

A Srª Graham recordou que, em 1992, o Padre Gruner foi atacado no Santuário de Fátima por funcionários do próprio Santuário, porque o Reitor não gostou das questões honestas que o Padre Gruner levantou sobre o Terceiro Segredo e a Consagração da Rússia.

Bertone Impõe a Sua Opinião Pessoal à Igreja

O Padre Gruner, que dirige o Fatima Center, disse: “É claro que agora, mais do que nunca, devemos rezar por Bento XVI. Recordemo-nos que foi Jesus quem disse à Irmã Lúcia de Fátima: ‘Rezai muito pelo Santo Padre’.

“O Papa Bento XVI colocou-se numa posição muiyo desconfortável. porque o Cardeal Bertone pôs-se, a si próprio e ao Vaticano, num beco sem saída. Isto porque Bertone persiste na sua opinião pessoal, de que não há mais nada no Terceiro Segredo do que já foi anunciado ao mundo.

“Quem estudar o livro de Bertone e a sua entrevista à televisão de quase duas horas em 31 de Maio passado, verificará que a sua posição é completamente indefensável, inacreditável e inteiramente desnecessária. O seu encobrimento fica ainda mais ténue com a declaração do Arcebispo Capovilla (que ainda é vivo, e que é uma testemunha primária do Terceiro Segredo de Fátima) em fita gravada, em que diz que há realmente ‘um apêndice’ ao que o Cardeal Bertone insiste em que é tudo o que há.

“Portanto, é evidente que o encobrimento, por parte do Cardeal, do Terceiro Segredo completo está a desdobrar-se perante os nossos olhos. Aquele ‘apêndice’ a que Capovilla se refere, claro está, não é mais do que as palavras de Nossa Senhora — o resto do Terceiro Segredo.”

Os Fiéis Têm o Direito de Saber

O Padre Gruner continuou: “Têm-me perguntado: ‘como é que Bertone continua a insistir que não há mais nada no Terceiro Segredo?’ Ele está a fazer isto com uma reserva mental, ‘é tido o que há na minha opinião’, mas sem dizer ‘na minha opinião’. Não nos diz qual é a base da sua opinião. Porém, é claro que é apenas a sua opinião pessoal que o resto do Terceiro Segredo não é autêntico, porque não se adapta às suas ideias pré-concebidas. Podemos deduzir que este é o seu ponto de vista a partir da sua entrevista televisiva de 31 de Maio de 2007.

“Rezemos para que o Papa Bento XVI ponha fim à charada de Bertone, revelando ao mundo o resto do Terceiro Segredo.

“O Papa Bento XVI precisa de muitas orações para cumprir esta ordem expressa de Nossa Senhora de Fátima, que o Terceiro Segredo seja integralmente divulgado a todos os fiéis.

“Pela sua obediência à Mãe de Deus e Rainha do Céu, o Papa Bento XVI não só restaurará a autoridade moral e a credibilidade do Vaticano, como também revelará as palavras muito salutares de Nossa Senhora ao mundo, que está ameaçado, como fez notar João Paulo II, por ‘ameaças apocalípticas que pairam sobre a humanidade’, e estes castigos que nos ameaçam estão a aproximar-se de dia para dia.”

Fim do Relatório Especial

Para mais informação documentada há um segundo texto do Terceiro Segredo:

Veja-se “Uma Nota Reservada de L. F. Capovilla” (na página 25 do Nº 87 de The Fatima Crusader para este documento original em italiano e na página 27 para a tradução em inglês), que é o texto italiano dado em Julho de 2006 ao Dr. Solideo Paolini pelo Arcebispo Capovilla, provando que a data de 27 de Junho de 1963 foi quando Paulo VI leu o texto do Terceiro Segredo pela primeira vez. É uma data diferente da de 27 de Março de 1965, dada por Bertone como sendo a data em que Paulo VI leu pela primeira vez o Terceiro Segredo (O documento de Capovilla – tanto no original em italiano como numa tradução em inglês – encontra-se na Internet em www.fatima.org/it/news/itnote_capovilla.asp e www.fatima.org/news/newsviews/092707capovilla.asp).

Capovilla, em Julho de 2006, disse a Paolini que ambas as datas estão correctas porque há dois envelopes e dois textos. Capovilla autenticou o seu texto escrito com o seu selo pessoal, como se pode ver neste anexo. A tradução para inglês deve-se ao Fatima Center.

(Ver também a “Declaração do Dr. Solideo Paolini” na página 22 do Nº 87 de The Fatima Crusader para mais pormenores sobre este assunto.)