Homepage
Cruzado
Perspectivas
Fazer uma doação
Acerca de Fátima
Notícias
Documentação
Terceiro Segredo
Consagração
Orações
Livraria
Mesa de trabalho do Padre
Apostolado
Informações
THE FATIMA NETWORK
ImageMap for Navigation Porquê Fátima? Mapa do site Contacto
Perspectivas Sobre Fátima
Perspectivas sobre Fátima

Enquanto isto continuar assim, a Rússia não se converterá

por Christopher A. Ferrara
8 de Novembro de 2017

Vê-se na foto o mausoléu onde está o cadáver mumificado e coberto de cera de Vladímir Lenine, autor de genocídios — que é meticulosamente conservado, a expensas do governo, numa paródia grotesca aos corpos incorruptos de santos católicos. Esta monstruosidade fica na Praça Vermelha (nome que, em Russo antigo, significava Bela Praça), em Moscovo — de onde eu regressei há pouco, depois de ter participado na histórica Conferência do ‘Fatima Center’ na capital russa.

O que na foto não se vê é o mal quase palpável que irradia da estrutura, quando se passa por ela. E também não evidencia totalmente a sensação de repugnância que se sente perante a estranha cor do edifício, rodeado de belas construções — um castanho nojento que só faz lembrar a cor de dejetos humanos. É mesmo uma coisa desagradável de se ver! 

Que houve mudanças para melhor na Rússia durante os últimos 30 anos, é coisa que está fora de questão. Da perspectiva de Fátima, parece que as cerimónias de “consagração” feitas por João Paulo II em 1982 e 1984, das quais deliberadamente se omitiu qualquer menção da Rússia, podem ter trazido alguns benefícios (tal como a própria Irmã Lúcia dissera a propósito da cerimónia de 1982), mas não trariam a conversão da Rússia! O mesmo se diga da consagração do Mundo ao Imaculado Coração de Maria, realizada pelo Papa Pio XII em 1942 (trouxe o abreviamento da II Grande Guerra; mas não a prometida conversão da Rússia — tal como Nosso Senhor disse por duas vezes à Irmã Lúcia, explícita e pessoalmente). Tais mudanças ter-se-ão também devido aos milhões de Terços e de outras orações oferecidos pela conversão da Rússia.

Mas, tal como Stanislaw Protasenko — um dos oradores da nossa Conferência — demonstrou amplamente na sua palestra, a conversão da Rússia está longe de se realizar, e a era de Fátima está longe de acabar.  O Dr. Protasenko — antigo Leitor de História e Ciência Política na Universidade Estatal de S. Petersburgo — advertiu que o culto de Lenine e mesmo de Stáline está ainda muito vivo por toda a Rússia, o aborto está ainda em crescendo, assim como a contracepção e a pornografia, e o tão alardeado recrudescimento da Ortodoxia Russa não foi acompanhado por um aumento apreciável da prática religiosa pelos Russos comuns.  

O Dr. Protasenko mais notou que a Ortodoxia Russa ainda exibe, mutatis mutandis, a “adaptação sergiana” da Igreja Ortodoxa Russa depois da Revolução Bolchevique, que deve o nome ao do Metropolita Sérgio. Foi Sérgio quem enunciou a política eclesial que determina que a Igreja Ortodoxa Russa observaria “a falsa separação de todas as necessidades espirituais do Homem nos campos puramente religioso e sócio-político... sem tocar no sócio-político, que seriam resolvidas e satisfeitas pela ideologia oficial” do Partido Comunista. O Partido já foi substituído, para efeitos de adaptação, pelo actual regime oficialmente secular do Kremlin. Portanto, — observou Protasenko — a Igreja Ortodoxa Russa não se oporá à política governamental sobre o aborto e a contracepção, ou qualquer outro elemento da política do Kremlin que infrinja a Lei de Deus.

E não — adverte Protasenko — devemos atribuir qualquer motivo de conversão religiosa à aprovação recente de leis que restringem a “propaganda homossexual”, porque até durante os anos de Stáline a homossexualidade foi “recriminalizada” — não por motivo religioso, mas para o fim puramente nacionalista de tentar evitar os efeitos perniciosos do vício no proletariado.  O mesmo se dirá das recentes restrições da Rússia ao aborto — que se devem à intenção de promover o crescimento da população e não para fazer cumprir a lei divina e natural pela sua própria causa. E o facto de o aborto continuar a ser legal em todo e qualquer caso e por toda a Rússia seria o suficiente para negar, em si e por si só, qualquer argumento de que a Rússia se converteu. 

Então, o que havemos de pensar da situação actual da Rússia?  O máximo que se pode dizer é que ela representa uma preparação remota para o dia em que, por fim, a Rússia será consagrada ao Imaculado Coração de Maria, e em que “essa pobre nação” empreenderá uma verdadeira transformação espiritual que constitui, precisamente, aquilo que a Virgem Santíssima prometeu, se fizessem o que Ela pedira: um milagre de Graça que introduzirá um tempo de Paz para o mundo inteiro — uma verdadeira Paz, não apenas uma ausência de conflito armado.

Temos a certeza de que a Rússia se converterá — regressando ao aprisco da Única e Verdadeira Igreja.  Igualmente certo, contudo, é que o dia da sua conversão ainda está por vir.  E podemos também ter a certeza de que, quando esse dia chegar, o túmulo de Lenine terá sido arrasado até ao chão, e o seu cadáver mumificado —  um ícone do mal radical — terá sido reduzido a pó. Até esse momento, que ninguém diga que a Rússia se converteu!

Esta Conferência em Moscovo é — assim o esperamos — não só o cumprimento de um dos sonhos do Padre Gruner para este Apostolado, mas também o início de um processo pelo qual a Mensagem de Fátima venha a entrar na consciência do Povo Russo, em preparação para o dia em que a profecia de Nossa Senhora de Fátima terá a sua gloriosa realização.




amigable a su impresora
Pagina inicial

imagemap for navigation Página inicial Mapa del sitio Contactar Buscar