Homepage
Cruzado
Perspectivas
Fazer uma doação
Acerca de Fátima
Notícias
Documentação
Terceiro Segredo
Consagração
Orações
Livraria
Mesa de trabalho do Padre
Apostolado
Informações
THE FATIMA NETWORK
ImageMap for Navigation Porquê Fátima? Mapa do site Contacto
Perspectivas Sobre Fátima
Perspectivas sobre Fátima

A "Igreja Missionária" desmissionarizada

por Christopher A. Ferrara
13 de Dezembro de 2017

Uma das marcas de uma ideologia é uma perversão do significado segundo a qual as palavras deixam de ter o seu significado original, passando a ter outro significado, de que essa ideologia as reveste. Tal significado é, geralmente, o oposto do seu significado original.  Assim, na ideologia marxista, “liberdade” significa subjugação pelo colectivo, que é tirania.

O mesmo acontece hoje por entre o elemento humano da Igreja Católica, em que a terminologia tradicional foi esvaziada do seu significado original para servir, não a Fé, mas aquilo a que Monsenhor Guido Pozzo, referindo-se ao Concílio Vaticano II, chamou uma “ideologia paraconciliar”. Essa ideologia — para citar Pozzo — implica a tentativa de impor “uma nova forma da Igreja em ruptura com o passado,” que apresenta três características: “1... a renúncia ao anátema, ou seja, a contradistinção clara entre ortodoxia e heresia... 2... a passagem do pensamento católico para as categorias da modernidade... [e] 3... a interpretação do aggiornamento desejada pelo Concílio Vaticano II”, de acordo com a qual o “diálogo” acaba por “obscurecer a urgência e o apelo à conversão a Cristo e à adesão à Sua Igreja.”

No mesmo sentido, embora ouçamos constantemente falar, durante este pontificado, de uma “Igreja missionária” que vai às “periferias” da sua missão, nunca ouvimos uma proclamação do Evangelho e um apelo à conversão para a salvação das almas. A “Igreja missionária” da ideologia paraconciliar rejeitou essencialmente a actividade missionária. “Missão” significa agora, efectivamente, “não-missão.”

Um exemplo perfeito desta transformação ideológica do significado foi o que se viu durante a viagem do Papa a Myanmar, onde, como Sandro Magister salienta, “Houve apenas um momento em que Jesus foi nomeado e o Seu Evangelho proclamado” — e não foi pelo Papa Francisco, Vigário de Cristo, mas pelo Ministro dos Negócios Estrangeiros budista Aung San Suu Kyi, que disse o seguinte:

“O próprio Jesus oferece uma ‘manual’ para esta estratégia de pacificação no Sermão da Montanha. As 8 Bem-Aventuranças (cf. Mt. 5:3-10) apresentam um retrato daquela pessoa que nós poderíamos descrever como bem-aventurado, bom e autêntico. Bem-Aventurados são os mansos — diz Jesus —, os misericordiosos e os pacificadores, os que têm um coracão puro, e os que têm fome e sede de justiça.

“Isto é também um programa e um desafio para os líderes politicos e religiosos, os chefes de instituições internacionais, e os executivos dos negócios e da comunicação social: aplicarem as Bem-Aventuranças no exercício das suas respectivas responsabilidades. E é um desafio construir a sociedade, as comunidades e os negócios agindo como pacificadores. É mostrar misericórdia recusar-se a descartar pessoas, a prejudicar o ambiente, ou a procurar vencer a todo o custo .”

Por muito irónico que pareça, o Ministro dos Negócios Estrangeiros budista estava a citar o próprio Francisco — de uma mensagem que ele tinha publicado para o Dia Mundial da Paz de 2017. Mas embora o Papa Francisco tenha viajado até às “periferias” de Myanmar, o discurso que lá fez não tinha nada a ver com a missão ou com o Evangelho, mas antes, como Magister diz, “era completamente ‘secular,’ excepto na invocação final de “bênçãos divinas de sabedoria, força e paz” sobre os presentes.

Mas do Papa Francisco não veio a mínima menção em Myanmar do Cristo de Quem é Vigário, nem do Evangelho cuja divulgação é a missão da Igreja para “fazerem discípulos em todas as nações, baptizando-os em Nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo, ensinando-os a observar todas as coisas que Eu vos mandei.” (Mt. 18:19-20) O politico budista que estava presente fez mais para pregar o Evangelho do que o Papa!

Actualmente, a ideologia paraconciliar, nas suas várias manifestações, excede até a heresia ariana na extensão da sua devastação. Mas com a pior crise na história da Igreja tem de vir, no tempo que Deus determinar, a mais dramática restauração da história da Igreja. Isso implicará, indubitavelmente, a obediência que, por fim, receberão os imperativos da Mensagem de Fátima.




amigable a su impresora
Pagina inicial

imagemap for navigation Página inicial Mapa del sitio Contactar Buscar