Homepage
Cruzado
Perspectivas
Fazer uma doação
Acerca de Fátima
Notícias
Documentação
Terceiro Segredo
Consagração
Orações
Livraria
Mesa de trabalho do Padre
Apostolado
Informações
THE FATIMA NETWORK
ImageMap for Navigation Porquê Fátima? Mapa do site Contacto
Perspectivas Sobre Fátima
Perspectivas sobre Fátima

O Cardeal Maradiaga nega tudo,
mas as perguntas continuam sem resposta

por Christopher A. Ferrara
22 de Dezembro de 2017

Explodiu um novo escândalo na cena do Vaticano, e ameaça ridicularizar todo o programa de “Francisco, o Grande Reformador”, confirmando a declaração em O Papa Ditador de que a corrupção dentro dos muros do Vaticano está pior que nunca.

Como o LifeSiteNews relata, citando uma revelação agora publicada no diário italiano L'Espresso, o Cardeal Óscar Andrés Rodríguez Maradiaga (vulgarmente chamado pelo seu último apelido, apesar da convenção latino-americana) está agora submerso em alegações de impropriedade financeira e corrupção com ela relacionada. Maradiaga, chefe do “Conselho de Cardeais” do Papa e ironicamente chamado “Vice-Papa”, é acusado de “apropriação de milhões de dólares em fundos pertencentes à Universidade Católica e à sua Arquidiocese... incluindo transferências pessoais de 40.000 dólares por mês da Universidade Católica de Honduras, Tegucigalpa, e mais de um milhão de dólares transferidos para uma companhia financeira suspeita que foi abaixo rapidamente depois de perder parte dos fundos na Alemanha.” 

Também há o assunto de um milhão e 300 mil dólares em fundos governamentais transferidos para a Arquidiocese para projectos relacionados com a Igreja, mas que, como Pentin também relata, “foram alegadamente desencaminhados para as mãos do Bispo Auxiliar Juan José Pineda, de Tegucigalpa, grande amigo do Cardeal, [para os quais] não existe contabilidade que indique como o dinheiro foi gasto.” Pineda é acusado de “dar apoio financeiro [de sustentar] um seu companheiro do sexo masculino utilizando fundos arquidiocesanos” e de ter “um apartamento construído no campus da Universidade de Honduras para alojar este seu companheiro,” anota Pentin (com referência a um relatório da Catholic News Agency).

E como Edward Pentin relata no National Catholic Register, as alegações de corrupção compeliram o Papa Francisco a enviar o Bispo argentino Alcides Jorge Pedro Casaretto numa visita apostólica às Honduras. O Bispo Casaretto “ficou chocado com a extensão da corrupção que descobriu, incluindo relatos de abusos sexuais perpetrados contra padres e seminaristas.”  O relatório que apresentou a Francisco é apoiado pelos depoimentos de 50 testemunhas.

L’Espresso, que evidentemente se apoiava numa cópia desviada do relatório, alega que “Quando acabou de ler o relatório escrito pelo enviado apostólico [o Bispo Casaretto] que ele próprio tinha mandado para as Honduras em Maio passado, o Papa Francisco levantou as mãos à cabeça. Tinha acabado de descobrir que o seu amigo e conselheiro principal — o poderoso Cardeal Óscar Maradiaga, fiel apoiante de uma Igreja pobre e pauperista e coordenador do Conselho de Cardeais depois de ter sido nomeado em 2013 — tinha recebido durante anos da Universidade Católica de Tegucigalpa cerca de 41.600 dólares americanos por mês, com um bónus de mais 64.200 dólares em Dezembro.”

Diz-se que Francisco recebeu já em Maio o relatório do Bispo Casaretto, mas Maradiaga continua no lugar de “Vice-Papa.”  Além disso, Pentin anota, o Bispo Pineda recebeu ordens para ir fazer um retiro com os Jesuítas em Madrid — o que é um sinal certo de que há qualquer coisa de terrivelmente impróprio nas Honduras.

Como a fonte de Pentin no Register o informou: “O Cardeal [Maradiaga] está a par de tudo.” Mas Maradiaga nega tudo e atribui as alegações a uma conspiração para bloquear as “reformas” de Francisco. Alega ele que os fundos em questão foram todos aplicados às necessidades da Arquidiocese, mas este artigo publicado nas Honduras, que inclui registos contabilísticos com os números de cheques e os nomes dos portadores, mostra que, só em 2015, foi pago o equivalente de centenas de milhar de dólares directamente a Maradiaga em pessoa.

Além disso, a negação geral de Maradiaga não consegue dar uma refutação específica das acusações e não foi apresentada uma contabilidade dos fundos em sua defesa. Como Philip Lawler observa. e com razão:

“Não se preocupem, explica a Arquidiocese, os fundos não eram para uso pessoal do Cardeal; eram para as necessidades gerais da Arquidiocese de Tegucigalpa. Oh, assim está bem.

“Mas esperem um minuto. Como é que uma Universidade Católica, num país empobrecido, dispõe de 40.000 dólares por mês? Todos sabemos que há escolas católicas que são subsidiadas pela Diocese local. Mas já ouviram falar de uma diocese católica a ser subsidiada por uma escola local?

“Não bate certo.

“Pode haver uma explicação inocente para os fundos enviados para as contas do Cardeal Maradiaga. Mas não é esta.”

Maradiaga completa 75 anos esta Sexta-Feira (29 de Dezembro), idade em que as regras da Igreja requerem que ele apresente a sua resignação. Prevejo que o Papa Francisco não a aceite e permita que Maradiaga se mantenha no lugar. Não pode ariscar-se a proceder doutra maneira, porque a queda do “Vice-Papa” Maradiaga significaria o colapso de toda a campanha de relações públicas a promover a “Igreja dos pobres” chefiada por um “Papa do povo” que “vai às periferias.” Por essa mesma razão, a seguir a ter recebido o relatório condenatório do Bispo Casaretto, Francisco (como Pentin anota) “decidiu tomar nas suas mãos o assunto, em vez de deixar que uma comissão ou uma visita apostólica mais aprofundada se encarregasse mais dela...”

De facto, Maradiaga relatou alegremente ao Vatican News, parte do aparelho de relações públicas do Vaticano, que o Papa Francisco telefonou-lhe a dizer: “Desculpe todo o mal que fizeram contra si.”  Quem são “eles” — as cinquenta testemunhas que verificaram o relatório do Bispo Casaretto? Que mal fizeram “eles” a Maradiaga? O único mal a ter sido feito parece ter sido cometido os amigos de Maradiaga com o seu inteiro conhecimento, se não por ele próprio, pessoalmente. Parece estar a preparar-se uma tentativa de encobrimento.

Mas Deus tira um maior bem de todos os males. Neste caso, o maior bem é uma revelação da verdade, não só sobre este pontificado, mas de toda a “renovação” fraudulenta da Igreja segundo o “espírito do Vaticano II.”  É tudo uma ilusão. E essa ilusão, com as suas consequências desastrosas, é precisamente o que diz respeito ao Terceiro Segredo de Fátima.




amigable a su impresora
Pagina inicial

imagemap for navigation Página inicial Mapa del sitio Contactar Buscar