Homepage
Cruzado
Perspectivas
Fazer uma doação
Acerca de Fátima
Notícias
Documentação
Terceiro Segredo
Consagração
Orações
Livraria
Mesa de trabalho do Padre
Apostolado
Informações
THE FATIMA NETWORK
ImageMap for Navigation Porquê Fátima? Mapa do site Contacto
Perspectivas Sobre Fátima
Perspectivas sobre Fátima

Outro amigo de Francisco atolado na corrupção

por Christopher A. Ferrara
28 de Dezembro de 2017

Depois de a imprensa secular ter passado ao mundo católico provas ocultas do enorme escândalo na Arquidiocese de Tegucigalpa, presidida pelo “Vice-Papa” Cardeal Maradiaga, das Honduras, o Papa Francisco apressou-se a defender o seu amigo, dizendo-lhe “não te preocupes.” [sic] Já é claro que Maradiaga vai ser protegido, apesar dos depoimentos de 50 testemunhas sobre a corrupção endémica na Arquidiocese – sobre o que era impossível que Maradiaga não soubesse – incluindo pagamentos mensais, feitos a ele, de cerca de 40.000 dólares mensais da Universidade Católica de Honduras, o que tem acontecido durante anos.

E agora parece que outro amigo de Francisco está a ser protegido do escândalo que o está a engolir. Como Sandro Magister relata, o argentino Gustavo Óscar Zanchetta, que foi feito Bispo de Orán, Argentina por Francisco em 2013, acabou de ser nomeado “assessor da Administração do Património da Sé Apostólica (APSA)” — uma posição que “não existia e que foi inventada para a ocasião.”

A criação desta sinecura do Vaticano segue-se ao misterioso e repentino abandono da sua diocese por Zanchetta, com base num “‘problema de saúde’ não especificado, para o qual, disse, precisava de receber tratamento urgente noutro lugar.” A seguir à sua partida abrupta da diocese, Zanchetta mudou-se — ou talvez, mais precisamente, fugiu — para “Corrientes, a 500 milhas de distância, para aparecer ainda mais longe, em Madrid, aparentemente em boa condição física.” Francisco aceitou depois a sua resignação de Bispo, a seguir ao que foi inventado para ele o novo cargo no Vaticano. 

Magister relata como Zanchetta deixou a sua diocese num “estado desastroso… semelhante ao que aconteceu na diocese de que tinha sido anteriormente vigário, a de Quilmes.”  Apesar disso, observa Magister, “Este é o homem a quem Francisco confiou um papel tão importante na Cúria, em contacto próximo com o Presidente da APSA, Cardeal Domenico Calcagno, que se encontra regularmente com o Papa e é um opositor tenaz da reorganização drástica das finanças do Vaticano, tentada sem sucesso pelo Cardeal George Pell, Prefeito do Secretariado para a Economia.”

Parece que quase todos os dias recebemos mais confirmações da tese do livro de Marcantonio Colonna O Papa Ditador: que “O Grande Reformador” não reformou nada, mas antes presidiu a um agravamento da corrupção no Vaticano, enquanto governa à maneira de um “cacique partidário Peronista,” premiando e protegendo os seus amigos e vingando-se contra os que entende serem seus inimigos. E todo este regime ditatorial, como o importante vaticanista Marco Tosatti observou, inclui um “nível de controle sobre os emails, linhas terrestes e até algumas categorias de telemóveis no Vaticano [que] está a alcançar níveis ‘que até seriam invejados na Coreia do Norte’…”

Estranhamente, na sua denúncia anual da cúria Romana pelo Natal, o Papa Francisco troçou da “lógica desequilibrada e degenerada das conspirações ou dos pequenos círculos que na realidade representam — apesar de todas as suas justificações e boas intenções — um cancro que leva à auto-referência, que se infiltra nos organismos eclesiásticos como tais, e particularmente nas pessoas que ali trabalham.” Pessoas assim, declarou, “foram escolhidas cuidadosamente para dar maior vigor ao corpo [eclesial] e à reforma, mas, não compreendendo os altos níveis das suas responsabilidades, deixam-se ser corrompidos por ambição ou vã glória, e quando são removidos delicadamente [dos seus cargos] declaram-se erroneamente ser mártires do sistema, do ‘Papa que não está informado,’ da ‘velha guarda,’ em vez de rezarem o mea culpa [‘por minha culpa’].”

Mas as únicas pessoas que o Papa Francisco “removeu delicadamente” são os defensores da ortodoxia católica, e não os que “se deixam ser corrompidos por ambição ou vã glória…” Os que foram removidos incluem o Cardeal Burke, o Cardeal Müller e três membros importantes da Congregação para a Doutrina da Fé, assim como todo o pessoal da Congregação para o Culto Divino e da Academia Pontifícia para a Vida. E nenhuma das vítimas destas purgas se declararam ser mártires. Será isto alguma espécie de fantasia paranóica?

Um pontificado como nenhum outro até agora visto pode bem estar a desenvolver-se.  Também aqui encontramos algo que deve ter sido aludido no texto integral do Terceiro Segredo de Fátima.




amigable a su impresora
Pagina inicial

imagemap for navigation Página inicial Mapa del sitio Contactar Buscar