Homepage
Cruzado
Perspectivas
Fazer uma doação
Acerca de Fátima
Notícias
Documentação
Terceiro Segredo
Consagração
Orações
Livraria
Mesa de trabalho do Padre
Apostolado
Informações
THE FATIMA NETWORK
ImageMap for Navigation Porquê Fátima? Mapa do site Contacto
Perspectivas Sobre Fátima
Perspectivas sobre Fátima

O Papado Surdo

por Christopher A. Ferrara
29 de Março de 2016

A Quinta-Feira Santa é o dia da Missa in coena Domini, em que os Católicos comemoram tanto a fundação do Santo Sacerdócio como a instituição da Divina Eucaristia. É isto que nós, Católicos, fazemos. Era isto que faziam os Católicos nossos antepassados ao longo dos séculos.

No entanto, o Papa Francisco, como se pode adivinhar, teve outras ideias. Para ele, a Missa in coena Domini, que ele decidira retirar da Basílica de S. Pedro e celebrar num centro de “refugiados” na periferia de Roma, foi a ocasião perfeita para lavar e beijar os pés de “refugiados” muçulmanos, hindus, ortodoxos, e até católicos, sim, homens e mulheres – com os cameramen a filmarem tudo, evidentemente, para transmitirem ao Mundo a manifestação mais recente de uma humildade pontifícia sem precedentes.

Ao fazer isto, Francisco violou a nova lei litúrgica por ele criada, que admite à cerimónia do lava-pés mulheres e crianças, mas selecionadas de entre “o Povo de Deus” – o que significa os fiéis cristãos. Mas acontece que as regras da Igreja são aquilo a que Francisco chamou coisas “de espírito mesquinho”, que impedem a humildade e a misericórdia. Por isso, ‘-Rua com elas!’ Mesmo aquela que o próprio Francisco há pouco inventou!

Mais uma vez portanto, como ele disse à congregação multi-religiosa numa outra homilia improvisada: “Todos nós. Juntos. Muçulmanos. Hindus. Católicos. Coptas. Evangélicos. Mas irmãos. Filhos do mesmo Deus, que queremos conviver em paz, integrados”!

Talvez esteja bem assim para Francisco, mesmo opondo-se  à Revelação divina e a toda a Tradição como explica até o Novo Catecismo. Que para ele “o Povo de Deus” não signifique os batizados, que pelo Batismo são libertos do Pecado Original e da consequente escravidão do Demónio, e elevados à condição de filhos de Deus por adoção (Gál 4:4-7). A menos que, quando Francisco mudou a lei litúrgica para permitir que na Quinta-Feira Santa, fossem lavados os pés a qualquer pessoa do “Povo de Deus”, quisesse significar, com “Povo de Deus”, todos e qualquer um dos seres humanos e não apenas os fiéis cristãos.

-Bela surpresa!

Ora, como é Quinta-Feira Santa, que melhor oportunidade haveria para politizar o culto católico enquanto o Mundo observa? E assim, Francisco sugere sem hesitação que o massacre que foi perpetrado na Bélgica por terroristas islâmicos não foi só culpa deles. Não, não, e não! Por detrás dos terroristas, que Francisco benignamente descreve como “pessoas que não queriam conviver em paz”, esconde-se algo ainda mais sinistro: “fabricantes, vendedores de armas que querem sangue, não a paz, querem a guerra, não a fraternidade.”

Há nisto um pequeno problema. A terminologia “vendedores de armas que querem sangue” não é normalmente aplicada aos fabricantes de panelas de pressão, pregos e parafusos, e de químicos geralmente à venda para o uso doméstico, incluindo peróxido e acetona – que “as pessoas que não querem conviver em paz” usaram para fabricar o triperóxido de triacetona  (TPTA) que provavelmente incluíram nas suas bombas de fabrico artesanal.

Mas foi muito mais fácil centrar então as atenções nos “vendedores de armas” e desviá-las dos membros fanáticos daquela mesma religião que acabara de ver o Vigário de Cristo a beijar os pés de alguns dos seus membros – um gesto de “fraternidade” que apenas acenderá o ódio dos terroristas islâmicos onde quer que se encontrem, ao mesmo tempo que confirmará os Muçulmanos “moderados” nos erros da sua religião feita por homens, deixando-os entregues ao que Pio XI devidamente chamou “a escuridão do Islamismo”. Na verdade, esta frase encontra-se no Acto de Consagração do Mundo ao Sagrado Coração de Jesus, que Pio XI estabeleceu como norma para toda a Igreja durante a Festa de Cristo-Rei. Mas Francisco não terá compreendido nada disso.

É pasmoso, mesmo para Francisco, poder levar a cabo este espetáculo absurdo logo a seguir à matança de Cristãos por seguidores de Maomé que de modo algum são “filhos do mesmo Deus” – esse Deus que revelou que adota como filhos só os seguidores do Seu Divino Filho, Jesus Cristo, a Segunda Pessoa da Santíssima Trindade, que os muçulmanos denunciam como uma heresia.

Esta liturgia, a mais profana das liturgias de Quinta-Feira Santa, é mais um sinal de um papado inteiramente surdo, que só ouve aquilo que quer: o som dos seus próprios slogans incessantemente repetidos. -Que a intercessão de Nossa Senhora de Fátima livre a Igreja do aperto sufocante de uma ideologia mascarada de Fé Católica!




amigable a su impresora
Pagina inicial

imagemap for navigation Página inicial Mapa del sitio Contactar Buscar