Perspectivas sobre Fátima

Döllingergate: Essa Curiosa Negação do Vaticano

por Christopher A. Ferrara
27 de Maio de 2016

Esta coluna teve um hiato durante as últimas duas semanas, por eu me ter associado à equipa do Remnant na sua peregrinação anual de Paris para Chartres – na qual participaram este ano uns 20.000 Católicos tradicionais, cuja média de idades andaria pelos 20 e poucos anos.

Enquanto eu estava no estrangeiro, rebentou uma outra bomba sobre o tema ‘Fátima’. O blog One Peter 5 (1P5)  obteve diretamente do teólogo-sacerdote alemão Padre Ingo Döllinger, por telefone, a confirmação daquilo que o “The Fatima Center” tinha noticiado já em 2009 acerca do Terceiro Segredo: que o então Cardeal Ratzinger dissera ao Padre Döllinger, seu amigo próximo e pessoal, que no Segredo a Virgem Santíssima adverte sobre um Concílio rebelde e mudanças ruinosas na Santa Missa. Veja-se o que o 1P5 noticiou no dia 15 de Maio:

Hoje, na Festa de Pentecostes, eu telefonei ao Padre Ingo Dollinger, sacerdote alemão e antigo professor de Teologia no Brasil, que agora se encontra muito idoso e fisicamente debilitado. Ele é, de há muitos anos, um amigo pessoal do Papa Emérito Bento XVI. Inesperadamente para mim, o Padre Döllinger confirmou-me ao telefone os seguintes factos:

“Pouco depois da publicação do Terceiro Segredo de Fátima pela Congregação para a Doutrina da Fé, em Junho de 2000, o Cardeal Joseph Ratzinger afirmou ao Padre Döllinger, durante uma conversa pessoal, que há ainda uma parte do Terceiro Segredo que não publicaram! ‘Há mais para além daquilo que publicámos’ — disse Ratzinger. Também disse a Döllinger que a parte publicada do Segredo é autêntica, e que a parte do Segredo ainda por publicar fala sobre um ‘mau Concílio e uma má Missa’ — o que haveria de vir num futuro próximo”.

Agora, segundo a sua política própria, a burocracia do Vaticano ignora os comentários criticos sobre a sua atividade blogosfera católica, e assim é como se não houvesse críticos.  Aconteceu precisamente o mesmo quando o “The Fatima Center” divulgou pela primeira vez as revelações do Padre Döllinger. Mas o que não poderia ser ignorado era o facto de o Padre Döllinger ter confirmado por telefone, direta e pessoalmente, aquilo que antes afirmara e foi noticiou pelo Fatima Center. A resposta veio seis dias depois, na forma de um comunicado anónimo e não assinado do Gabinete para a Imprensa do Vaticano:

Comunicado: sobre vários artigos sobre o “Terceiro Segredo de Fátima”

Apareceram recentemente vários artigos que incluem declarações atribuídas ao Professor Ingo Döllinger, segundo as quais o Cardeal Ratzinger, depois da publicação do Terceiro Segredo de Fátima (que teve lugar em Junho de 2000), lhe tinha confidenciado que a publicação não estava completa.

Quanto a isto, o Papa Emérito Bento XVI afirma “nunca ter falado com o Professor Döllinger sobre Fátima”, e diz claramente que os comentários atribuídos ao Professor Döllinger sobre este assunto “são puras invenções, completamente falsas”, e confirma decisivamente que “a publicação do Terceiro Segredo de Fátima está completa.”

Em resposta ao comunicado, a jornalista do 1P5, de língua materna alemã, “telefonou ao Padre Döllinger acerca das novidades sobre a declaração do Vaticano e, nessa mesma altura, ele confirmou-lhe de novo, clara e enfaticamente, os seus anteriores comentários. Por outras palavras: ele corroborou o que já tinha dito.”

À luz destes factos, o comunicado anónimo mete água por todos os lados – para usar uma expressão popular. Considerem-se os seguintes pontos:

Primeiro: Não há qualquer indicação de que o Vaticano tenha entrado em contacto com o Padre Döllinger para obter dele uma negação, em como não tinha dito aquelas coisas que o Gabinete para a Imprensa dá a impressão de lhe terem sido falsamente “atribuídas”. Tal omissão é, por si só, muito eloquente: O Gabinete para a Imprensa não fez qualquer tentativa nesse sentido, porque sabe ou pelo menos suspeita que o Padre Döllinger disse efetivamente aquilo que o 1P5 informou; e porque não desejava ser confrontado com a sua confirmação dos factos – coisa que o Gabinete para a Imprensa não poderia facilmente esconder.

Segundo: O Vaticano aventurou-se demais quando afirmou rotundamente que Bento XVI pretende “nunca ter falado com o Professor Döllinger sobre Fátima.” Realmente? Nunca? Nem uma vez só? Nem uma única palavra trocada entre o anterior Cardeal Ratzinger e o seu íntimo amigo Padre Döllinger sobre o tema de Fátima?  -Isto não me cheira!

Terceiro: A asserção do Gabinete para a Imprensa de que Bento XVI chamou às afirmações do Padre Döllinger sobre este assunto “puras invenções, completamente falsas”, envolve necessariamente a acusação do Padre Döllinger como um mentiroso descarado que arquitetou afirmações que o antigo Cardeal Ratzinger nunca tinha feito, ou então que a jornalista do 1P5 é uma mentirosa que arquitetou tais afirmações. Mas, repare-se de novo, nenhum esforço se fez para obter um desmentido do Padre Döllinger porque, sem qualquer dúvida, não se esperava que ele fizesse desmentido algum.  Portanto, o Gabinete para a Imprensa publicou uma acusação difamatória contra o Padre Döllinger e contra a jornalista que noticiou as suas afirmações – afirmações essas que o Gabinete para a Imprensa não fez esforço algum para confirmar, porque sabe ou suspeita que tais afirmações na verdade se fizeram.

Quarto: Um advogado poderia ter redigido a declaração cuidadosa do Vaticano em como Bento XVI “confirma decisivamente que ‘a publicação do Terceiro Segredo de Fátima está completa’”.  É evidente que o Vaticano afirma sempre que a publicação está “completa”, porque não tem a menor intenção de publicar mais nada respeitante ao Segredo. Isto é, o texto – que deve existir – em que a Virgem Santíssima explica o significado da visão publicada em 2000 e que o Vaticano absurdamente insistiu para que fosse um funcionário corrupto, o Cardeal Sodano, a “interpretá-lo” para nós.  A verdadeira questão é saber se o Vaticano publicou o Segredo inteiro; não é saber se o ato de publicação está completo, segundo a opinião do Vaticano.  E, até à data, o Vaticano tem-se recusado rotundamente a responder à pergunta essencial:  -Existe um texto escrito pelo punho da Irmã Lúcia, seja ele considerado “autêntico” ou não por algumas personagens do Vaticano, no qual ela reconte a explicação que a Virgem Santíssima deu da visão publicada em 2000?

Quinto e último: Esperará o autor anónimo de um comunicado não assinado que nós acreditemos que as frases recortadas que ele (ou ela) “atribui” a Bento XVI são indubitavelmente verdadeiras e precisas, enquanto as afirmações que o 1P5 “atribui” ao Padre Döllinger são mentiras e puras invenções – incluindo a própria confirmação do Padre Döllinger, há pouco, de que de facto fizera tais afirmações?!  Realmente? Acho que não.

-Será que esta “negação” a meter água conseguiu acabar com o assunto das revelações explosivas do Padre Döllinger?  -Nem por sombras! Pelo contrário: só veio confirmar que há pânico no Vaticano. Evidentemente, Bento XVI não poderia aparecer em público e negar, explicitamente e em direto, o testemunho do seu amigo Padre Döllinger!  E eu acho que podemos ter a certeza de que isso nunca aconteceria, pela mesma razão de não se ter logo feito qualquer esforço para obter do Padre Döllinger uma tal negação: é que o Vaticano sabe a verdade do que ele revelou.

E a saga do Terceiro Segredo de Fátima continua.