Homepage
Cruzado
Perspectivas
Fazer uma doação
Acerca de Fátima
Notícias
Documentação
Terceiro Segredo
Consagração
Orações
Livraria
Mesa de trabalho do Padre
Apostolado
Informações
THE FATIMA NETWORK
ImageMap for Navigation Porquê Fátima? Mapa do site Contacto
Perspectivas Sobre Fátima
Perspectivas sobre Fátima

-Palmas para o Dr. Mirus!

por Christopher A. Ferrara
16 de Junho de 2016

O ponto de vista dos “tradicionalistas” ou “Fatimistas” sobre o “regime da novidade” na Igreja Católica pós-conciliar nunca teve nada a ver com antagonismo, devido a um ressentimento perene; nem envolveu personalidades, rancores ou outros motivos que alimentassem ‘a polémica pela polémica’. Pelo contrário: a abordagem tradicionalista da atual crise da Igreja é essencialmente uma demonstração, estudada e bem documentada, daquilo que é óbvio: que a trajetória seguida pelo elemento humano da Igreja em nome do Concílio Vaticano II tem sido sempre descendente, conduzindo a consequências cada vez mais estranhas e aterrorizadoras.

Durante décadas, e evoluindo da imprensa para a Internet e a blogosfera, o comentador católico oficial estava determinado em negar o que era óbvio, ao defender as decisões inteiramente desastrosas das autoridades eclesiásticas, a começar no Papa e por aí abaixo — decisões essas que não produzem senão aquilo a que o então Cardeal Ratzinger chamouum processo contínuo de decadência que em grande parte acontece com base no facto de se ter recorrido ao Concilio, desacreditando assim o Concilio aos olhos de muita gente.”

Mas tudo isto mudou com a ascensão do Cardeal Bergoglio à Cadeira de Pedro. Porque Francisco, em toda a sua temeridade, está a mostrar à Igreja — enquanto o mundo aplaude — o que está no fim da trajetória dos últimos 50 anos: a dissolução da própria Fé, se tal fosse possível. Há hoje um número sempre crescente de Católicos, outrora pertencentes às massas “normalistas”, que está a levantar objeções ao contínuo ataque demagógico deste Pontificado contra os “rigoristas”, ou seja, contra os Católicos que se mantêm firmes ao ensinamento e disciplina da Igreja, especialmente na área da moral sexual.

Sobre a Amoris Laetitia, por exemplo — essa “exortação apostólica” em grande parte escrita sob anonimato pelo Arcebispo Fernández, o disparatado amigo do Papa e autor de “Heal me with your mouth: the art of kissing”, (“Cura-me com a tua boca: a arte de beijar”) — lemos o seguinte título em LifeSiteNews: “Ilustres Académicos Católicos dizem que a exortação do Papa apresenta um perigo para a Igreja.”

Nunca, nos últimos 50 anos — na verdade, nunca na História da Igreja —, se viu uma tal efusão de preocupações, por parte dos leigos, sobre a heterodoxia de um documento pontifício. Esta impressionante evolução dos factos é a controvérsia da Humanae Vitae, mas em ordem inversa: o Papa afasta-se do ensinamento constante da Igreja no âmbito da moral sexual, enquanto os leigos o defendem!

Em nenhum outro lado esta mudança radical no campo do comentário católico é mais chocante do que neste caso do Dr. Jeffrey Mirus, responsável pelo CatholicCulture.org — um site que se tem mantido resolutamente na perspetiva da corrente principal de opinião — e que também tem sido, ao longo dos anos, um crítico constante dos tradicionalistas.  Num sermão recente, aludindo Francisco ao tema do Capítulo VIII da Amoris Laetitia, declarou o Papa: “Jesus sabe sempre como nos há-de acompanhar. É Ele que nos dá o ideal. Ele acompanha-nos até ao ideal, livra-nos das cadeias da rigidez das leis e diz-nos: ‘Mas cumpram-nas, até onde forem capazes!’”.

Para o Dr. Mirus, isto foi a última gota! Claramente escandalizado, publicou um artigo intitulado “Sobre dizer ou não dizer a verdade: Será a confusão o principal ‘efeito Francisco’?” — onde se pode ler:

É inteiramente falso pretender que Nosso Senhor nos tenha ensinado que está perfeitamente bem se acaso nos recusamos a aceitar a Verdade ou se nos recusamos a viver de acordo com Ela. É preciso também salientar, e com a maior ênfase possível, que Jesus nunca disse que “o Caminho, a Verdade e a Vida” eram um ideal… [ênfase no original]
Há várias gerações que sabemos que muitos líderes católicos são simpatizantes de modos de pensamento que produzem tal deformidade. E a ordem religiosa masculina que mais abertamente representa esta simpatia é a Companhia de Jesus. Não obstante, é triste ver demonstrado de modo tão claro, nas tendências pessoais de um homem que foi feito Sucessor de Pedro, aquilo que é essencialmente uma forma de acomodação e conformidade mundanas.
Dando-lhe embora o beneficio de todas as dúvidas, há aqui um padrão recorrente que nos obriga a admitir que o Papa Francisco partilha de algumas das miseráveis tendências pessoais dos novos Fariseus…

Quando um leigo com um cargo tão significativo como o do Dr. Mirus se sente obrigado a caracterizar publicamente o Papa reinante como um dos “novos Fariseus”, torna-se evidente que a crise eclesial está a atingir uma nova etapa — uma etapa de tal gravidade que não pode continuar muito mais sem que haja uma resolução drástica que, sem qualquer dúvida, será imposta por Deus.

Não é um momento de regozijo! Não deveria ter sido fácil para o Dr. Mirus escrever aquilo que escreveu. Deve ser louvado por o ter feito — não apenas no sentido pessoal, mas também porque o seu exemplo de franqueza encorajará outros, que também saibam a verdade, a levantarem a voz. E isso é essencial agora. Enquanto a Hierarquia se fica quase totalmente calada perante este desastroso Pontificado, vemos a mesma inversão de papéis que era evidente nos tempos da Heresia Ariana do Século IV. Leia-se o famoso excerto do Cardeal Newman a esse respeito:

[O] corpo do episcopado era infiel à sua missão, enquanto o corpo do laicado era fiel ao seu Baptismo. Porque, por um lado, uma vez era o Papa, outras vezes a Sé Patriarcal, a Metropolitana e outras grandes Sés, outras vezes ainda eram os concílios gerais que disseram o que não deviam ter dito ou fizeram algo que obscureceu e comprometeu a Verdade Revelada; enquanto, por outro lado, era o Povo Cristão que, inspirado pela Divina Providência, veio a ser a força eclesiástica de que precisava Atanásio, Hilário, Eusébio de Vercellae, e outros grandes confessores que estavam isolados e que, sem ele, teriam desfalecido.

A justiça requer que seja dada a honra onde ela é devida, enquanto a caridade recomenda que se enterrem as discórdias no passado. Por isso, eu convidaria vivamente todos os Católicos meus apoiantes a agradecerem ao Dr. Mirus o seu testemunho sobre a verdade da nossa situação.

            -Nossa Senhora de Fátima, rogai por nós!




amigable a su impresora
Pagina inicial

imagemap for navigation Página inicial Mapa del sitio Contactar Buscar