Homepage
Cruzado
Perspectivas
Fazer uma doação
Acerca de Fátima
Notícias
Documentação
Terceiro Segredo
Consagração
Orações
Livraria
Mesa de trabalho do Padre
Apostolado
Informações
THE FATIMA NETWORK
ImageMap for Navigation Porquê Fátima? Mapa do site Contacto
Perspectivas Sobre Fátima
Perspectivas sobre Fátima

O Cardeal Parolin Atraiçoa para Pequim

por Christopher A. Ferrara
26 de Agosto de 2016

Durante muito tempo já que o Secretariado de Estado do Vaticano, elevado a uma importância sem precedentes pelas reformas pós-Concílio Vaticano II idealizadas e dirigidas pelo Cardeal Villot, tem vindo a pôr em perigo a integridade da Fé para servir os ditames mundanos da diplomacia vaticana. Foi assim com a Mensagem de Fátima e em especial, com o Terceiro Segredo que precisamente o Secretário de Estado do Vaticano (primeiro o Cardeal Sodano, depois o Cardeal Bertone, seu sucessor) reduziu a um apelo generalizado à oração e à penitência, extirpando a Consagração da Rússia e reduzindo o Segredo apenas a uma representação de acontecimentos do Século XX.

E é assim também com a sorte dos Católicos da Igreja subterrânea da China, que recusam prometer lealdade à “Associação Católica Patriótica” (ACP), a falsa-Igreja que foi edificada em Pequim, nos anos 50 pelo regime da China Vermelha, pretendendo ser ela a Igreja Católica “oficial”, para impor o controle governamental sobre a seleção e consagração de Bispos chineses, criando assim uma hierarquia descaradamente cismática.

E agora ouvimos o Cardeal Pietro Parolin, atual Secretário de Estado do Vaticano, alegar que não há diferença alguma entre os Bispos e os fiéis da Igreja subterrânea --- que se recusam a fazer parte da cismática ACP e sofrem perseguição implacável por causa disso — e os aderentes da ACP, tanto clérigos como leigos, que obedecem aos homens em vez de a Deus por prestarem culto de acordo com os ditames de um regime comunista e ateu que obriga as mulheres a abortarem os próprios filhos.

Como o Cardeal Parolin declarou numa recente entrevista ao Avvenire, jornal da Conferência Episcopal Italiana,  “A pretensão de que haja duas Igrejas distintas na China não corresponde à realidade histórica nem à vida dos Católicos chineses. Há, na verdade, duas comunidades diferentes, ambas desejosas de viver em comunhão completa com o Sucessor de Pedro. Cada uma leva consigo a sua bagagem histórica de momentos de grande testemunho e sofrimento que nos dizem algo sobre a complexidade e as contradições que existem dentro deste vasto país.”

-Isto é uma grande mentira e uma total traição aos Católicos chineses da Igreja subterrânea!  Primeiro: Os Católicos fiéis que recusam submeter-se à ACP não estão “desejosos de viver em comunhão completa com o Sucessor de Pedro” porque estão em comunhão completa com ele e sempre estiveram desde o momento em que recusaram submissão a Pequim, obedecendo antes a Deus do que aos homens.

Segundo: A ACP não é “uma comunidade… desejosa de viver em comunhão completa com o Sucessor de Pedro”, antes a criação perversa de ditadores comunistas que violam o Corpo Místico de Cristo com uma repulsiva invenção humana que pretende ser a “Igreja oficial”.

Terceiro: Não há uma igualdade moral entre a Igreja subterrânea em união com Roma e a ACP, que é perversa e cismática.  Sugerir que estas “duas comunidades” se devem “reconciliar abraçando-se uma à outra…” é pura e simplesmente algo de monstruoso. Os Fiéis perseguidos na China nunca podem “abraçar” uma organização que jura lealdade a uma ditadura comunista.

Há apenas uma “solução” para a situação da China: a ACP deve ser abolida e deve garantir-se a todos os Católicos chineses a possibilidade de frequentarem a Igreja em união com Roma, abertamente e sem interferência governamental.

Mas agora abundam rumores — e Sandro Magister confirma-os — de que Roma está prestes a chegar a um acordo no sentido de permitir o regime comunista chinês de Pequim a selecionar Bispos para aprovação pelo Vaticano — num grotesco regresso ao mal do Cesaropapismo, segundo o qual o soberano civil é o chefe da Igreja no seu reino e pode designar Bispos. Mas o que é infinitamente pior é que, neste caso, o soberano civil não seria um Rei Católico, mas sim um ditador comunista.

A cada dia que passa, a crise que a Igreja tem sofrido durante meio século acelera em direção àquilo que só pode ser uma conclusão desastrosa.  O Terceiro Segredo de Fátima está a desenrolar-se perante os nossos olhos, enquanto os guias cegos da alta Hierarquia correm a precipitar-se num fosso.  -E nós não podemos ir atrás deles!... Podemos somente rezar para que haja uma intervenção definitiva do Céu que ponha termo a esta crise por meio do Triunfo do Imaculado Coração de Maria — que se seguirá, por fim, à Consagração da Rússia, que, como vemos, continua no centro de acontecimentos mundiais potencialmente explosivos.



amigable a su impresora
Pagina inicial

imagemap for navigation Página inicial Mapa del sitio Contactar Buscar