Homepage
Cruzado
Perspectivas
Fazer uma doação
Acerca de Fátima
Notícias
Documentação
Terceiro Segredo
Consagração
Orações
Livraria
Mesa de trabalho do Padre
Apostolado
Informações
THE FATIMA NETWORK
ImageMap for Navigation Porquê Fátima? Mapa do site Contacto
Perspectivas Sobre Fátima
Perspectivas sobre Fátima

-Ide e Promovei o Desenvolvimento Humano Integral?...

por Christopher A. Ferrara
2 de Setembro de 2016

Há quase dois mil anos, Deus Incarnado enviou a Sua Igreja para a missão salvífica que lhe cabe, com as seguintes palavras: “-Ide por todo o mundo, e pregai a todas as gentes o Evangelho. Aquele que acreditar e for Baptizado, salvar-se-á; mas aquele que não acreditar condenar-se-á.” O mandato divino à Igreja Católica não poderia ser mais simples: converter o Mundo ao Cristianismo, para a salvação das almas.

Dois mil anos passados, porém, no meio da pior crise de Fé e disciplina que a Igreja jamais experimentou, apresentam-nos esta descrição da missão da Igreja:

Em todo o Seu ser e ações [!], a Igreja é chamada a promover o desenvolvimento integral da pessoa humana à luz do Evangelho. Tal desenvolvimento acontece por se atender aos bens inestimáveis que são a justiça, a paz, e o cuidar da obra da Criação. O sucessor do Apóstolo São Pedro, no seu afã de afirmar estes valores, está continuamente a adaptar as instituições que com ele colaboram, para poderem dar melhor resposta às necessidades dos homens e mulheres que elas são chamadas a servir.

É com estas palavras que abre a Humanum Progressionem, carta apostólica do Papa Francisco que anuncia a continuação do que parece ser um dos temas do seu Pontificado: a Novidade da semana. Desta vez, é a criação de um novo “Dicastério Para Promover o Desenvolvimento Humano Integral” — que irá absorver, abolindo-os, o Conselho Pontifício para a Justiça e a Paz, o Conselho Pontifício Cor Unum, o Conselho Pontifício para a Pastoral de Pessoas Migrantes e Itinerantes, e o Conselho Pontifício para os Trabalhadores dos Cuidados de Saúde.

Portanto, segundo diz Francisco, a Igreja não é chamada a pregar o Evangelho a todas as gentes e a Baptizá-las para a sua eterna salvação, mas sim “a promover o desenvolvimento integral da pessoa humana”, por “atender ao Bens inestimáveis que são a justiça, a paz, e o cuidar da obra da Criação.” Aqui, a “luz do Evangelho” não passa de uma ajuda à promoção da justiça, da paz, e do cuidar da obra da Criação.

E a salvação das almas? A Humanum Progressionem derrogou os Artigos 142.º a 153. da Pastor Bonus, a Constituição Apostólica de João Paulo II que criara estes quatro departamentos vaticanos que Francisco acaba de abolir. Repare-se no seguinte, que é extremamente revelador: A Pastor Bonus começa com estas palavras: “O Bom Pastor, o Senhor Jesus Cristo (cf. João 10:11, 14), conferiu aos Bispos, sucessores dos Apóstolos, e de um modo singular ao Bispo de Roma, sucessor de São Pedro, a missão de fazer discípulos em todas as nações e de pregar o Evangelho a todas as gentes.”

Portanto, por um lado, temos a Pastor Bonus que continua a mencionar a salvação nada menos do que onze vezes, incluindo as expressões “meios de salvação”, “ministério de salvação”, “salvação das almas”, “a obra da salvação no Mundo” e a “missão de trabalhar para a eterna salvação dos povos...”

E, por outro lado, a Humanum Progressionem que não diz uma única palavra sobre a salvação, os meios de salvação, ou a missão salvífica da Igreja, na sua declaração sobre aquilo que a Igreja é chamada a fazer neste mundo. Francisco, o Vigário de Cristo, nem sequer menciona Jesus Cristo!

Mesmo no princípio do seu Pontificado, Francisco declarava: “A Igreja não é uma ONG” — ou seja, uma Organização Não-Governamental que se dedica a obras de caridade seculares. Mas o que é que se há-de pensar de uma Igreja cuja missão vai sendo reformulada diante dos nossos olhos até dar nisto? “-Ide por todo o Mundo e promovei o desenvolvimento humano integral, atendendo aos bens inestimáveis da justiça, da paz, e do cuidar das obras da Criação.”

A “luz do Evangelho” a que Francisco se refere não é certamente a luz da salvação, sem a qual as almas se perdem por toda a eternidade. É algo completamente diferente; algo que emprega a linguagem tradicional para exprimir significados novos e revolucionários. E é a revolução contínua e imensamente destrutiva dentro da Igreja que este Pontificado elevou a um nível absolutamente novo, apressando sem dúvida o dia em que Deus intervirá — de uma forma particularmente dramática — pondo fim à crise sem paralelo que agora testemunhamos.




amigable a su impresora
Pagina inicial

imagemap for navigation Página inicial Mapa del sitio Contactar Buscar