Homepage
Cruzado
Perspectivas
Fazer uma doação
Acerca de Fátima
Notícias
Documentação
Terceiro Segredo
Consagração
Orações
Livraria
Mesa de trabalho do Padre
Apostolado
Informações
THE FATIMA NETWORK
ImageMap for Navigation Porquê Fátima? Mapa do site Contacto
Perspectivas Sobre Fátima
Perspectivas sobre Fátima

A Polónia Reconhece o Reinado Social de Cristo

por Christopher A. Ferrara
21 de Novembro de 3016

Nestes tempos de confusão inigualável na Igreja, é muito fácil esquecer que o seu fundador é o Próprio Cristo, Senhor da História, e que nenhum simples mortal, nem mesmo um Papa transviado, pode sobrepor-se à influência do sobrenatural no decurso dos acontecimentos humanos. Sejam quais forem os males que Deus permita neste mundo, seguir-se-lhes-á, por fim, um bem maior.

Um sinal de que o Senhor da História não dorme no meio da pior crise da História da Igreja foi a realização ainda há poucos dias de um Acto Colegial, pelo qual os Bispos da Polónia reconheceram formalmente o Reinado de Cristo sobre a Nação Polaca. Como  Rorate Caeli noticia: “O Acto Colegial foi oficializado na presença de Andrzej Duda, Presidente da Polónia. Muitos peregrinos estiveram presentes a este evento. Hoje (20 de Novembro), o Acto vai repetir-se em todas as catedrais e paróquias polacas.”

Indubitavelmente significativo é terem sido os mesmos Bispos Polacos que se recusaram a autorizar a Sagrada Comunhão àqueles que vivem em relações sexuais adúlteras continuadas a que chamam “segundos casamentos”, embora seja claro que é isso o que Francisco deseja que se faça.  Veja-se o que foi informado numa fonte de noticias: “O Arcebispo Stanislaw Gadecki, Presidente da Conferência Episcopal Polaca, disse que não deveria ser permitido dar a Comunhão após um período de discernimento pastoral – coisa que Francisco tem advogado – acrescentando que, se os divorciados recasados tiverem válido o seu primeiro casamento, não podem receber a Eucaristia [sic].”

Como a Hierarquia Polaca tão sensatamente reconheceu, foi Cristo-Rei quem declarou — sem excepções “pastorais” baseadas no “discernmento” — que “Todo aquele que repudia a sua mulher e desposa outra é um adúltero, e quem casa com a mulher repudiada pelo marido comete adultério (Lucas, 16:18).” Tendo que enfrentar um aparente conflito entre a Vontade de Cristo-Rei e a vontade do Seu Vigário, que não está imune ao erro nos seus juízos prudenciais, a Hierarquia da Polónia obedeceu ao seu Rei! E Francisco nem ousou impor obediência à sua novidade pastoral, porque o Espírito Santo nunca permitiria que Papa algum impusesse a toda a Igreja Católica que abraçasse o erro.

A Nação da Polónia, incluindo os seus líderes políticos, demonstrou que o espírito da época — ou “a fibra da História”, como Francisco lhe chamou — não é algo irresistível, mas sim um desenvolvimento humano efémero que, para o Senhor da História, não tem nenhuma importância. A Polónia mostrou o caminho a seguir; as outras Nações só têm de apelar uma vez mais para o seu Rei, para se reverter a maré que está a varrer a nossa Civilização, outrora Cristã, para um abismo de total depravação.

Veja-se o que Pio XI declarou, apenas 37 anos antes do Concílio Vaticano II: “Se soubessem resolver-se os homens a reconhecer a autoridade de Cristo em sua vida particular e pública, para logo deste ato dimanariam em toda a humanidade incomparáveis benefíciosuma justa liberdade, a ordem e o sossego, a concórdia e a paz. Com dar à autoridade dos príncipes e chefes de governo certo caráter sagrado, a dignidade real de Nosso Senhor enobrece com isto mesmo os deveres e a sujeição dos cidadãos. Tanto assim que o Apóstolo S. Paulo, depois de prescrever às mulheres casadas e aos escravos de reconhecerem a Cristo na pessoa de seus maridos e senhores, lhes recomendava, ainda assim, de obedecerem não servilmente, como a homens, mas tão só em espírito de fé como a representantes de Cristo...”

Esta lição foi esquecida pela generalidade dos líderes da Igreja pós-Concílio Vaticano II... Mas os Bispos Polacos, e com eles os líderes políticos daquele País, mostraram um notável regresso à compreensão correta das relações entre Deus e o Estado. Talvez se veja aqui uma antevisão do grande renascimento que acontecerá quando, finalmente, se atender à Mensagem de Fátima e, tendo o Triunfo do Imaculado Coração de Maria renovado a face da Terra, quando a mania reformista que agora se apoderou do elemento humano da Igreja não for mais do que uma lembrança.




amigable a su impresora
Pagina inicial

imagemap for navigation Página inicial Mapa del sitio Contactar Buscar