Homepage
Cruzado
Perspectivas
Fazer uma doação
Acerca de Fátima
Notícias
Documentação
Terceiro Segredo
Consagração
Orações
Livraria
Mesa de trabalho do Padre
Apostolado
Informações
THE FATIMA NETWORK
ImageMap for Navigation Porquê Fátima? Mapa do site Contacto
Perspectivas Sobre Fátima
Perspectivas sobre Fátima

O Cardeal Schönborn atrapalha-se
sobre a loucura das Fronteiras Abertas

por Christopher A. Ferrara
28 de Dezembro de 2016

Parece que o Cardeal Christoph Schönborn (o da “Sagrada Comunhão para adúlteros públicos”) está a reconsiderar a política suicida de fronteiras abertas da Áustria, que permitiu uma invasão de “refugiados” — na sua grande maioria homens muçulmanos em idade militar — cujas contribuições mais preeminentes para a sociedade austríaca têm sido, até agora, violações, abusos sexuais, violência nas ruas, exigências para a integração da lei islâmica na vida pública austríaca, e um escoamento maciço das finanças públicas. 

Numa entrevista recentemente transmitida pela TV austríaca, Schönborn disse que “tinha acabado por ‘repensar’ a sua posição sobre a crise dos imigrantes.”  Agora “já não está convencido de que a Europa deve aceitar todos os que chegam” e tem-se tornado “mais cuidadoso” porque um “número inacreditável” de “refugiados” tem chegado ao país.

Schönborn, que é sempre politicamente correto, durante uma fase aparente de pensamento racional desinibido, chegou até a dar voz ao aviso que os chamados islamófobos têm dito desde o princípio: “Haverá uma terceira tentativa islâmica para conquistar a Europa? Muitos Muçulmanos assim pensam e desejam-no, e dizem que a Europa chegou ao fim.”

Agora é que ele nos diz? Como se nós já não o soubéssemos!  Enfiando ainda mais o pé na poça mortal de lava da opiniões politicamente incorretas, Schönborn até declarou: “O património cristão da Europa está em perigo, porque nós, os Europeus, o desperdiçámos.”

Porém, afastando-se do caldeirão em chamas, Schönborn rapidamente acrescentou: “Isto não tem absolutamente nada a ver com o Islão nem com os refugiados.” Claro que não!  O que é que a actual invasão muçulmana da Europa Ocidental poderá ter a ver com o perigo para o património cristão da Europa?  Nada, nada, nada!

Segundo Schönborn, “É evidente que muitos Islamitas gostariam de se aproveitar da nossa fraqueza, mas eles não são responsáveis por ela. Nós é que somos.”  Portanto, por um lado o Islão não tem nada a ver com o perigo para o património cristão da Europa; mas, por outro lado, os Islamitas procuram aproveitar-se da fraqueza dos Cristãos. Não que os Muçulmanos, ao aproveitar-se da fraqueza dos Cristãos, representem algum perigo para a identidade cristã da Europa. Isso nunca! O perigo é inteiramente da culpa dos Cristãos, porque estão a permitir que todos estes “refugiados” muçulmanos se aproveitem deles — o que não tem nada a ver com os refugiados. 

Aqui acaba a sequência de pensamento racional do Cardeal. Parece que acabou logo a seguir a ter começado — um intervalo lúcido na mente de um Modernista dúplice que pensa que admitir os adúlteros públicos à Sagrada Comunhão está de acordo com o ensinamento constante da Igreja contra admitir os adúlteros públicos à Sagrada Comunhão.

Contudo, o nosso prelado-catavento tem alguma razão. A fraqueza espiritual do Ocidente que já foi Cristão acolhe hoje no seu seio precisamente o que a Europa Cristã repeliu às portas de Viena em 1683.  E se Schönborn quiser apreciar essa fraqueza na sua profundidade existencial, só precisa de se olhar ao espelho, onde verá isto:

Isto é o Cardeal a presidir a uma das Missas com balões que simbolizam o colapso da fé e da disciplina na Igreja Católica desde o desastroso Concílio Vaticano II, com a sua ruinosa “abertura ao mundo” e a sua visão absurdamente irénica do que Pio XI, não muito anos antes do Concílio, chamou “a escuridão do Islão.”  Sem dúvida, o espetáculo cómico deste prelado causaria riso e desprezo aos Imams e “refugiados” muçulmanos que sonham com a ascensão de um califado islâmico no meio do que outrora foi a Cristandade.

E tudo isto é exactamente o que Hilaire Belloc predisse em 1938, na véspera da 2ª Guerra Mundial II, depois de a 1ª Guerra Mundial I já ter dado um golpe mortal à civilização cristã com a queda da Casa de Hapsburgo — precisamente na Áustria. Escreveu Belloc então:

“As culturas brotam das religiões; em última instância, a força vital que sustenta qualquer cultura é a sua filosofia, a sua atitude em relação com o universo; a decadência da religião envolve em si a decadência da cultura que lhe corresponde – vemo-lo com a máxima clareza na dissolução do Cristianismo de hoje. O mal que a Reforma começou está a produzir o seu fruto final na dissolução das nossas doutrinas ancestrais – é a própria estrutura da nossa sociedade que se está a dissolver…

“Não houve tal dissolução da doutrina ancestral no Islão – ou, pelo menos, não houve nada que correspondesse à desintegração universal da Religião na Europa. Toda a força espiritual do Islão ainda está vigente nas multidões da Síria e da Anatólia, das montanhas do Leste da Ásia, da Arábia, do Egito e de todo o Norte de África. O fruto final desta tenacidade, um segundo período de poder islâmico, poderá demorar – mas duvido que se possa adiar para sempre.”

Acabou o período de adiamento. O momento terrível é agora. Mas com prelados como Schönborn à frente da Igreja, sob um Papa desorientado que, como até o Wall Street Journal pode ver, é na prática “o líder da Esquerda Global,” humanamente falando não há esperança de evitar “um segundo período do poder islâmico.”

Mas depois temos a Mãe de Deus para nos salvar quando tudo parece perdido. Tal é a promessa profética da Mensagem de Fátima, cuja concretização gloriosa se há-de sobrerpor às deficiências de prelados vacilantes e de Papas iludidos.




amigable a su impresora
Pagina inicial

imagemap for navigation Página inicial Mapa del sitio Contactar Buscar