Homepage
Cruzado
Perspectivas
Fazer uma doação
Acerca de Fátima
Notícias
Documentação
Terceiro Segredo
Consagração
Orações
Livraria
Mesa de trabalho do Padre
Apostolado
Informações
THE FATIMA NETWORK
ImageMap for Navigation Porquê Fátima? Mapa do site Contacto
Perspectivas Sobre Fátima
Perspectivas sobre Fátima

Quando os próprios ministros de Cristo se recusam
a falar de Cristo, quem falará por Ele?

por Christopher A. Ferrara
23 de Janeiro de 2017

A cerimónia de tomada de posse de Donald Trump incluiu um número recorde de orações de eclesiásticos, seis ao todo: o Cardeal Timothy Dolan, de Nova Iorque, quatro pastores protestantes de diversas seitas e um rabi. De notar que um imam muçulmano politicamente correcto não estava entre os convidados. É, todavia, outra a razão para se ter optimismo acerca da futura Administração Trump.

Mas ter Dolan aparecido na tribuna conformou-se com o padrão de comportamento clerical que temos visto dos prelados católicos quando falam em eventos públicos desde o Concílio Vaticano II: uma resoluta recusa de mencionar o nome de Cristo, o próprio Fundador da Igreja a que eles pertencem, e que estabeleceu um encargo divino que os actuais sucessores dos Apóstolos supostamente deviam cumprir, sob pena de martírio quando fosse necessário: "Ide por todo o Mundo e fazei discípulos em todas as nações, baptizando-os em Nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, e ensinando-os a observar todas as coisas que vos ordenei."

A invocação de Dolan consistiu em um minuto de leitura do Capítulo 9 do Livro da Sabedoria, em que Salomão pede a Deus que lhe "envie [isto é, a Sabedoria] dos Teus santos céus. Envia-a do Teu trono glorioso, para que ela possa estar connosco, e aja connosco, para podermos alcançar o que é do Teu agrado. Porque ela sabe e compreende todas as coisas e guiar-nos-á prudentemente nos nossos assuntos e nos há-de salvaguardar pela sua glória. Amen."

De Dolan, nem uma palavra, nem sequer a mais simples alusão, ao Cristo cuja missão ele está encarregado de cumprir e sem a qual ele não é nada para além de um homem em trajo clerical. Havia apenas uma referência prudentemente feminina à Sabedoria. Quem ouvisse Dolan, nunca saberia que Cristo, Senhor da História, tem o papel de abençoar as nações e os seus dirigentes — ou, já agora, tudo io que tenha a ver com Dolan!

Mas também se repetiu outro padrão familiar nestes acontecimentos: os ministros protestantes, nenhum dos quais é sucessor dos Apóstolos, de facto invocaram corajosamente o nome de Cristo perante um mundo que está em revolta aberta contra a Lei do Evangelho. E fizeram-no, embora a sua compreensão do Evangelho esteja corrompida de várias maneiras:

  • Samuel Rodriguez leu um texto de Nosso Senhor, do Sermão da Montanha e concluiu: "Respeitosamente, em nome de Jesus."

  • Paula White-Cain rezou: "Vimos a Vós, Pai Celestial, em nome de Jesus… Glória ao Pai, e ao Filho, e ao Espírito Santo. Assim rezamos em nome do Senhor Jesus Cristo."

  • Franklin Graham, filho de Billy Graham, leu da Primeira Epístola de São Paulo a Timóteo: "Porque há um só Deus e um mediador entre Deus e a humanidade, Jesus Cristo, verdadeiro Deus e verdadeiro homem, que Se entregou a Si mesmo para resgatar a todos. E assim, ao Rei eterno, imortal e invisível, o único Deus, seja dada honra e glória, em nome de Jesus, Amen."

  • Wayne T. Jackson invocou "a sabedoria de Salomão, a visão de José, e a mansidão de Cristo," concluindo: "Que Nosso Senhor abençoe e proteja a América, faça seu rostro brilhar sobre nós e seja gracioso a nós, e dai-nos a paz pelo poderoso nome de Jesus. Amen."

Para se ser justo para com Dolan, deve-se dizer que ele estava apenas a seguir a "nova orientação" da Igreja desde o Concílio, que se pode descrever, com um mínimo de ironia, como um "Catolicismo pós-Cristão," cuja aproximação ao mundo ad extra reduz-se agora ao "diálogo" e a referências genéricas à "transcendência," "valores" e à "necessidade de religião", qualquer que ela seja.

Assim, Francisco, Vigário de Cristo , da mesma maneira evitou cuidadosamente qualquer menção de Cristo durante o seu discurso (em Setembro de 2015) ao Congresso dos Estados Unidos, em que apenas invocou Moisés e a Regra de Ouro. Como o Nome de Cristo também não teve lugar no seu discurso, igualmente suave, na Casa Branca e perante a Assembleia Geral das Nações Unidas.

Tal como Edward Pentin salientou: "Em comum com os discursos do Papa Francisco na Casa Branca e no Congresso, o Santo Padre decidiu não mencionar Jesus Cristo no seu discurso desta manhã nas Nações Unidas. Compreende-se que isto esteja a causar bastante perplexidade entre alguns comentadores católicos, que têm o cuidado de sublinhar que o Papa fala em nome de Jesus, e que, portanto, devia invocar explicitamente o Seu [sic] Nome para dirigir os líderes nacionais e mundiais para a luz de Cristo e dos Seus ensinamentos."

Pentin faz também notar a tendência… descendente sobre este assunto: João Paulo II fez 6 referências a Cristo no seu discurso de 1995 às Nações Unidas, enquanto que Bento XVI fez apenas uma. Portanto, a recusa de Dolan em até mencionar Aquele a Quem deve a sua autoridade não deveria supreender ninguém depois de meio século do declínio auto-inflingido da Igreja até chegar a uma completa irrelevância quanto à orientação dos homens e das nações. O mundo já não ouve falar da única coisa que faz da participação da Igreja no discurso social algo de diferente em relação à de qualquer organização meramente humana: o Reinado Social de Cristo-Rei, vigorosamente defendido por Pio XI não muitos anos antes de o Vaticano II ter inaugurado o seu abandono de facto.

Que podemos dizer, quando os prelados encarregados por Deus de levar a cabo a Sua missão salvífica no mundo se recusam até a mencionar o Nome do Seu Filho, que deu pessoalmente à Igreja Católica esse encargo divino? Que havemos de dizer quando são os ministros protestantes, que não têm esse encargo, que invocam o Seu Nome perante um mundo descrente?

Podemos dizer o que Nosso Senhor disso a respeito de um silêncio tão vergonhoso: "Pois se alguém se envergonhar de Mim e das Minhas palavras, dele se envergonhará também o Filho do homem, quando Ele vier na Sua Majestade, e na do Pai e dos Santos Anjos." (Lucas 9:26)

E podemos também dizer que este silêncio vergonhoso dos Seus ministros nomeados não é senão mais um sinal de uma crise como nenhuma outra na História da Igreja Católica.




amigable a su impresora
Pagina inicial

imagemap for navigation Página inicial Mapa del sitio Contactar Buscar