Homepage
Cruzado
Perspectivas
Fazer uma doação
Acerca de Fátima
Notícias
Documentação
Terceiro Segredo
Consagração
Orações
Livraria
Mesa de trabalho do Padre
Apostolado
Informações
THE FATIMA NETWORK
ImageMap for Navigation Porquê Fátima? Mapa do site Contacto
Perspectivas Sobre Fátima
Perspectivas sobre Fátima

A respeito do Cardeal Müller e da Amoris,
Jimmy Akin levanta as mãos em desespero

por Christopher A. Ferrara
3 de Fevereiro de 2017

Jimmy Akin, um “Apologista Sénior” de Catholic Answers, passou os últimos anos a escrever artigos sobre artigos a respeito das últimas explosões bergoglianas, sob o título corrente de “Coisas para saber e comunicar aos outros”. O número de “coisas para saber e comunicar aos outros” sobre o que Francisco disse ou fez nesta ou noutra ocasião varia segundo a dificuldade de tentar explicar e abafar o escândalo e confusão resultantes.

Mas o episódio mais recente da série de branqueamento escrita por Akin revela um homem que está completamente atrapalhado e que não sabe para que lado se há-de voltar. Akin reúne nada mais nada menos do que doze “coisas para saber e comunicar aos outros” a respeito do desenvolvimento a que me referi na minha coluna ontem, ou seja: a correcção discreta que o Cardeal Müller fez à Amoris Laetita (AL), que o Cardeal continua a fingir que é perfeitamente segura e ortodoxa, mesmo quando denuncia exactamente a interpretação que Francisco lhe deu. Mas, para o fim da sua lista das 12 coisas, Akin ‘estava feito num oito’ e não aduziu nada que não fosse mais confusão.

O texto de Akin começa por admitir de má vontade no subtítulo que “Parece que o Cardeal Müller tem a sua visão pessoal sobre o modo como a ‘Amoris Laetitia’ deveria ser interpretada, e essa visão difere do modo como o Papa Francisco gostaria de ver interpretado esse documento.” Digo de má vontade, porque o Cardeal Müller não nos deu a sua “visão”, mas o ensinamento autêntico do Magisterium que o Cardeal, infelizmente, pretende que não é, de maneira nenhuma, contradito ou minado pela AL.

Akin admite — na segunda das suas “doze coisas para saber e comunicar aos outros” — que a interpretação da AL que permitiria a certas pessoas, vivendo em segundos casamentos, continuarem as suas relações e receberem a Sagrada Comunhão “seria discordante em relação à compreensão histórica dos Católicos, porque esses casais não estariam casados validamente e, portanto, as relações sexuais entre eles seriam adulterinas.” Mas, tal como o Cardeal Müller, ele esquece-se de apontar que esta é exactamente a interpretação aprovada por Francisco na sua Carta aos Bispos de Buenos Aires.

Os nºs 3-11 das “Coisas para saber e comunicar aos outros” não esclarecem a controvérsia. Pelo contrário, Akin (no nº 6) confessa achar “um pouco desconcertante” a declaração de Müller de que “é impossível o pecado mortal coexistir com a Graça Santificante. Para superar esta contradição absurda, Cristo instituiu para os fiéis o Sacramento da penitência e reconciliação com Deus e com a Igreja.”

Neste ponto, Akin discute se todos os pecados mortais objectivos satisfazem as condições de culpabilidade subjectiva (matéria grave, pleno conhecimento e consentimento deliberado); sem atender ao facto de Müller estar, obviamente, a referir-se à condição objectiva de adultério e à impossibilidade intrínseca de alguém que mantenha continuamente relações sexuais fora do casamento poder receber o Santíssimo Sacramento enquanto continuar a cometer o mesmo pecado com pleno conhecimento disso. E quem não sabe que a Igreja, seguindo a instrução de Nosso Senhor, ensina que o divórcio e o “recasamento” constituem sempre adultério?

Para o fim do seu artigo, em que não chegou a parte nenhuma com a sua análise inútil, Akin (no nº 11) admite finalmente: “Parece, portanto, que o Cardeal Müller está a dar a sua própria visão de como o documento deveria ser interpretado, e que estas visões diferem da maneira como o Papa Francisco gostaria de ver interpretado o documento.” Exactamente! Excepto que, como acima apontámos, a “visão” de Müller reflecte o ensinamento irreformável da Igreja.

E chegamos assim à conclusão de Akin, que é simplesmente ridícula:

“12) O facto de o Papa e o chefe do CDF discordarem sobre um ponto como este parece ser muito sério. Que devemos fazer?

“-Rezemos por ambos — e por toda a Igreja!”

Então é assim? Rezar por ambos? Obrigado por nada, Sr. Akin! Mas há certos pontos óbvios que se apresentam:

  • Por um lado, porque é que devemos “rezar por ambos”, se Müller estiver correcto ao dizer que a AL é compatível com a interpretação tradicional do assunto? Se a AL é simplesmente um documento tradicional — como diz Müller — que razão há para rezarmos pelos dois? Devíamos era dar antes graças a Deus por Francisco nos ter dado uma apresentação totalmente tradicional dos ensinamentos da Igreja!

  • Por outro lado, se Francisco — autor da AL — discorda da leitura tradicional que Müller faz dela, então a AL só pode ser um documento heterodoxo; e nesse caso, para quê rezar por Müller, em oposição ao Papa que forçou uma exortação apostólica heterodoxa na Igreja?

  • Se o Papa e Müller “discordam sobre um ponto como este,” não será um caso em que um lado deve estar certo e o outro errado?

  • Como havemos de saber quem está certo e quem está errado?

Akin evita estas perguntas, argumentando que “O Papa Francisco não emitiu uma interpretação autêntica dos pontos disputados da Amoris Laetitia, nem autorizou o CDF a publicar uma.”

Portanto, a conclusão de Akin é zero: ninguém — nem mesmo o chefe da CDF! — pode saber o que a AL significa realmente, até Francisco nos declarar o que realmente quer dizer, através de uma interpretação “autêntica”. E se Francisco nunca apresentar uma interpretação “autêntica” e deixar simplesmente a sua interpretação heterodoxa e “privada” proliferar em toda a Igreja, piscando o olho, abanando a cabeça, e de outras maneiras dando a impressão de que isto é exactamente o que ele quer que aconteça?  Ou então, pior ainda, e se Francisco publicasse a sua interpretação “autêntica” e ela correspondesse exactamente ao que ele escreveu aos Bispos de Buenos Aires, ou seja: que certos adúlteros públicos, baseados no “discernimento”, podem receber a Sagrada Comunhão sem pararem imediatamente com as suas relações adulterinas — contrariando deste modo o ensino contrário de Bento XVI, de João Paulo II e de toda a Tradição? Então, quantas coisas quereria o Sr. Akin que nós “soubéssemos e comunicássemos aos outros?”

Como se pode ver pelo comentário fútil de Akin, o caso da Amoris Laetitia é tão absurdo como prejudicial para a Igreja. Eis o resultado da pretensão de que um documento total e absolutamente heterodoxo é ou ortodoxo (para Müller) ou imprescrutável (para Akin)! Nunca, em 2000 anos, a Igreja se viu confrontada com semelhante barafunda aterradora, proveniente da Santa Sé.




amigable a su impresora
Pagina inicial

imagemap for navigation Página inicial Mapa del sitio Contactar Buscar