Homepage
Cruzado
Perspectivas
Fazer uma doação
Acerca de Fátima
Notícias
Documentação
Terceiro Segredo
Consagração
Orações
Livraria
Mesa de trabalho do Padre
Apostolado
Informações
THE FATIMA NETWORK
ImageMap for Navigation Porquê Fátima? Mapa do site Contacto
Perspectivas Sobre Fátima
Perspectivas sobre Fátima

Mais sobre o Caso Coccopalmerio

por Christopher A. Ferrara
16 de Fevereiro de 2017

Um aspeto da coluna anterior referente ao vergonhoso “livro” — que na verdade é um panfleto de 51 páginas — do Cardeal Coccopalmerio sobre a Amoris Laetitia (AL), merece hoje um tratamento mais específico.

Refiro-me àquelas passagens em que Coccopalmerio — que é o Presidente do “Conselho Pontifício para os Textos Legislativos” — tem o descaramento de declarar que a obediência ao VI Mandamento, que vincula todos os homens em qualquer tempo e lugar, não passa de um padrão de “perfeição absoluta” para um objetivo que pode ser impossível de atingir. Aqui transcrevo, na parte que nos é pertinente, as afirmações inconcebíveis feitas por este Cardeal:

Os divorciados e recasados, que são casais ‘de facto’, e aqueles que vivem em coabitação, não são certamente um modelo de união em sincronia com a Doutrina Católica, mas a Igreja não pode desviar os olhos e ignorá-los.

“Sim. Portanto, a admissão aos Sacramentos daqueles que, apesar de viverem em situações irregulares, pedem com sinceridade para serem readmitidos na plenitude da vida eclesial, é um gesto de abertura e de profunda misericórdia por parte da Mãe Igreja, que não deixa para trás nenhum dos seus filhos, estando bem ciente de que a absoluta perfeição é um dom precioso, mas que não está ao alcance de todos.

Por outras palavras: Coccopalmerio declara que não se pode esperar que toda a gente atinja a “absoluta perfeição” de evitar as relações sexuais fora do casamento! Caramba! O que esta ideia representa é a destruição de facto de todo o ensino da Igreja sobre a moral sexual, pois pretende reduzir a um simples ideal o que é um preceito moral fundamental — o mínimo que Deus espera de nós, com o auxílio da Sua graça. Portanto, a lei moral natural deixaria efetivamente de ser uma lei, passando a ser uma espécie de padrão no percurso para o desenvolvimento e crescimento pessoais. Se puder, atinja este objetivo; se não puder, Deus perdoa-lhe na mesma!

Depois, vem a seguinte implicação: aqueles que vivem em “situações irregulares”, ou seja, os que praticam habitualmente o adultério ou a fornicação, embora não sejam “absolutamente perfeitos” no seu comportamento, estão, no entanto, a viver num certo grau de perfeição moral — como se pudesse haver gradações na obediência ao VI Mandamento!  

Isto é uma loucura moral! E qual será a fonte desta loucura? Não é Coccopalmerio; é a Amoris Laetitia, essa criação bizarra do Papa Bergoglio e da sua equipa de autores anónimos modernistas. À frente de todos eles, está o amigalhaço Victor Manuel Fernández, de alcunha o “Tucho”, esse herético que escreveu um livro sobre “a arte de beijar” e que Bergoglio nomeou Arcebispo titular, numa das suas primeiras ações como Papa.

Até o Catholic Herald, moderado e resolutamente equilibrado como é, publicou uma peça na primeira página sobre esta bomba de Coccopalmerio, sob o título: “A Igreja está agora em plena guerra civil sobre a doutrina”. Depois de esboçar a trajetória em que Francisco lançou a Santa Igreja, o Herald não hesitou em retirar daí esta momentosa conclusão sobre aquilo que está a acontecer:

“O Cardeal Coccopalmerio é uma ‘figura de proa’ do Vaticano: o seu livro apareceu com um evidente apoio de dentro do Vaticano, e sem qualquer contradição oficial. E a sua opinião é próxima da de muitos outros Prelados (como os Bispos de Malta e a maioria dos da Alemanha). Assim sendo, o debate sobre a Comunhão não pode continuar a ser visto — se alguma vez o pudesse legitimamente ser — como uma questiúncula marginal entre “conservadores” e “liberais”. Nem pode ser enquadrado como uma questão de saber se é preferível haver um pouco mais de misericórdia ou um pouco mais de justiça. Agora trata-se, pura e simplesmente, de um debate sobre se o ensino da Igreja ainda é válido.

Claro que o ensino da Igreja ainda é válido! Nem sequer um Papa pode alterar, e muito menos declarar inválido, aquilo que a Igreja ensinou sempre sobre a Fé e a Moral. No entanto, este Papa tem dado a impressão de que isso é possível, ateando assim na Igreja uma “guerra civil” sobre um preceito moral tão básico como o “Não cometerás adultério!”

O Padre Ray Blake fala sem dúvida em nome do número cada vez maior de Padres e leigos fiéis que estão alarmados pela ascendente crise deste Pontificado: “O que eu receio é que a Igreja se divida em grupos partidários; e, se o Pontificado do Papa Francisco avançar muito nas ideias dele, o que me aterroriza é o risco de ser[mos] afastado[s] de Cristo – risco esse que Francisco e os da sua camarilha parece quererem que eu corra.”

O que agora estamos a testemunhar é absolutamente apocalíptico, embora possamos suspeitar que o pior ainda está por vir.  

-Nossa Senhora do Rosário de Fátima, só Vós nos podeis valer!




amigable a su impresora
Pagina inicial

imagemap for navigation Página inicial Mapa del sitio Contactar Buscar