Homepage
Cruzado
Perspectivas
Fazer uma doação
Acerca de Fátima
Notícias
Documentação
Terceiro Segredo
Consagração
Orações
Livraria
Mesa de trabalho do Padre
Apostolado
Informações
THE FATIMA NETWORK
ImageMap for Navigation Porquê Fátima? Mapa do site Contacto
Perspectivas Sobre Fátima
Perspectivas sobre Fátima

Sobre a "cultura degradada do Vaticano"

por Christopher A. Ferrara
9 de Março de 2017

Adorado pelos poderes deste mundo, Francisco já apareceu na capa da revista Rolling Stone — a publicação mais importante da “cultura rock” degenerada — pela segunda vez. Desta vez foi na edição italiana, com uma história apropriada sob o título “Francesco — Papa Pop.”

O “Papa Pop” tem-se rodeado de um grupo de progressistas radicais cujas fotografias espontâneas nos dizem muito sobre o carácter da chefia da Igreja com Francisco à sua frente. Examinemos uma amostra desta estranha galeria de eclesiásticos poderosos:

Cardinal Francesco

Coccopalmerio

Cardinal Lorenzo

Baldisseri

Cardinal Christoph

Schönborn

Cardinal Reinhard Marx

Cardinal Walter Kasper

Cardinal Donald Wuerl

E depois ainda temos o Arcebispo Vincenzo Paglia, que está agora à frente do neutralizado Conselho Pontifício sobre a Vida, e que, como já referi aqui, encomendou um mural blasfemo e obsceno para a catedral da sua antiga diocese, obra horrível que representa a si próprio e um tal “Padre Fábio”:


Archbishop Vincenzo Paglia

Cada um destes prelados aqui representados, citando obrigatoriamente a Amoris Laetitia (AL) como a única autoridade, apoia a rejeição na prática dos ensinamentos de João Paulo II e de toda a Tradição sobre a impossibilidade de as pessoas que vivem em adultério receberem a Sagrada Comunhão. E todos eles foram elevados a um nível mais alto de proeminência e autoridade pelo mesmo “Papa Pop.”

Talvez baste olhar para as fotografias acima reproduzidas para compreender que a Igreja está agora em perigo grave, vindo de grande parte da sua própria direção, particularmente dentro do aparelho de Estado do Vaticano. Mas quanto a Paglia em particular, Maureen Mullarkey, sempre perspicaz, tira uma lição mais ampla do caso do mural. Escreveu ela:

“O narcisismo de Paglia — o ímpeto de pavonear a sua libertação das considerações morais que ele se comprometeu a honrar — é espantoso. É como meter um dedo nos olhos dos congregantes que confiam na fidelidade de um padre aos seus votos. Exteriorizá-lo numa casa de culto público é traição. É também uma declaração da confiança que Paglia tem na sua imunidade a ser repreendido...”

Note-se bem a frase: “imunidade a ser repreendido.” Paglia, com os seus óculos de cor de arco-íris e tudo, sabe muito bem que os seus ultrajes não terão consequências, mas, pelo contrário, serão recompensados com poder e influência. E isto, sublinha Mullarkey, indica um problema endémico muito mais profundo: “Em última análise, o núcleo deste problema não é de modo algum o mural. Não substancialmente. Nem sequer é o Arcebispo Paglia. É uma cultura degradada do Vaticano, que promove um homem como Paglia, conferindo-lhe autoridade quando ele devia ser mandado fazer penitência e colocado num eremitério.”

Neste momento preciso da história, estamos a assistir à crise sem paralelo que foi predita no Terceiro Segredo de Fátima, cuja parte ainda oculta foi parcialmente revelada por Bento XVI em resposta a uma pergunta sobre o Terceiro Segredo que ele próprio escolhera previamente:

“Quanto às coisas novas que podemos encontrar hoje nesta mensagem, há também o facto de que os ataques contra o Papa e a Igreja não vêm apenas de fora, mas que os sofrimentos da Igreja vêm precisamente de dentro da Igreja, do pecado que existe dentro da Igreja. Isto é também algo que sempre soubemos, mas que hoje estamos a ver de uma maneira realmente aterrorizante: que a maior perseguição da Igreja não vem dos seus inimigos exteriores, mas resulta do pecado dentro da Igreja…”




amigable a su impresora
Pagina inicial

imagemap for navigation Página inicial Mapa del sitio Contactar Buscar