Homepage
Cruzado
Perspectivas
Fazer uma doação
Acerca de Fátima
Notícias
Documentação
Terceiro Segredo
Consagração
Orações
Livraria
Mesa de trabalho do Padre
Apostolado
Informações
THE FATIMA NETWORK
ImageMap for Navigation Porquê Fátima? Mapa do site Contacto
Perspectivas Sobre Fátima
Perspectivas sobre Fátima

A Igreja como uma 'República das Bananas':
O Papa Bergoglio "ordenou" que o chefe, demitido, dos Cavaleiros de Malta não estivesse em Roma durante a eleição dos Cavaleiros

por Christopher A. Ferrara
19 de Abril de 2017

Em Janeiro passado, o Papa Bergoglio chamou Frei Matthew Festing, na altura chefe da antiga Ordem Soberana dos Cavaleiros de Malta — que já deixou de ser soberana — para uma audiência secreta com uma hora de antecedência. Quando Festing apareceu, como lhe tinha sido ordenado, Bergoglio exigiu-lhe que escrevesse imediatamente uma carta de resignação e indicasse nessa carta que o Cardeal Burke era o responsável pela demissão do Grande Chanceler Albrecht Boeselager "na sequência da revelação do seu envolvimento na distribuição de preservativos…" (para não mencionar o envolvimento de Boeselager numa associação de honestidade duvidosa que estava na altura sob investigação criminal por branqueamento de dinheiro).

Durante a audiência em que lhe foi extorquida a resignação, Festing perguntou ao Papa Bergoglio se estaria bem se ele se candidatasse à re-eleição quando o Conselho de Estado da Ordem se reunisse em Roma, em 29 de Abril, para eleger um novo Presidente. Segundo Festing declarou ao Catholic Herald: "E eu disse: 'Por hipótese, o que aconteceria se eu fosse re-eleito?' Ele [o Papa] pensou por um momento e disse: 'Bem, estaria bem'."

Ora bem, não estaria nada bem com o Papa Bergoglio, e Festing deveria ter percebido o que ia acontecer. Em 15 de Abril, Festing recebeu uma carta do Cardeal Becciu, "delegado especial" do Papa junto da Ordem, Cardeal Becciu, que se referiu a "curar as feridas" na Ordem e depois aconselhou-o assim: "Considerando o acima exposto, e tendo partilhado a decisão com o Santo Padre, peço-lhe, na minha capacidade de Delegado Especial, que não esteja presente no Conselho de Estado Completo e que prescinda da sua viagem a Roma nesta ocasião [a eleição de 29 de Abril]. Peço-lhe isto como um ato de obediência…"

É evidente que é ultrajante que o Papa Bergoglio proíba Festing de participar na reunião do Conselho de Estado, que é o governo soberano do que é supostamente uma entidade soberana segundo o Direito Internacional e de que é membro com direito a voto, ou até de estar presente na cidade de Roma para a eleição. Isto é um abuso contrário à razão da autoridade papal, cuja finalidade é favorecer um dos lados numa disputa política sobre a qual o Papa carece de jurisdição.

Repare-se, contudo, na redação inteligente da carta de Becciu, que isola Bergoglio da responsabilidade direta por esta manobra de rufião: a ordem para não participar na eleição e ficar fora de Roma é apresentada como uma decisão de Becciu, que ele apenas "partilhou com o Santo Padre," que assim pode negar plausivelmente que deu uma ordem tão ultrajante — como se alguém acreditasse mesmo nisso.

Festing devia saber que não podia confiar numa representação privada da parte do astuto Argentino. Afinal, trata-se do mesmo Papa Bergoglio que, ao ser confrontado inesperadamente pelos pais desgostosos de seis dos seus nove filhos que foram consagrados pelos Frades Franciscanos da Imaculada (FFI), respondeu assim à sua súplica sobre quando a perseguição — pelo próprio Bergoglio! — daquela florescente ordem tradicional acabaria: "Em breve, em breve!" Suponho que isto seja literalmente verdade, embora de forma enganadora: "em breve, em breve" os FFI foram completamente destruídos.

Concordo com este comentário acutilante sobre a proibição de viagem de Festing, aparecido em Rorate Caeli:

"A cidade [de Roma] não é propriedade do Papa, vendo bem as coisas, e o poder temporal do Papado foi reduzido, desde 1929, aos limites pequenos da Cidade do Vaticano e a mais alguns edifícios na região.
"Ai de nós! Isso era antes de o Caudillismo [ditadura extremista] ter chegado à Cidade! Se João Paulo II e Bento XVI tivessem imaginado este poder absoluto extra-muros do Papa! El Caudillo Jorge é que sabe; de que valem as leis e os direitos, se ele te detesta, pode simplesmente pôr-te na rua, muchacho!...
"Estamos perante uma violação de várias leis sob a capa de 'obediência' — estes opressores devem ser levados a um tribunal civil. Só os tribunais civis poderão deter estes abusos e vexames por parte de Francisco e dos seus cúmplices."

O Padre Gruner dedicou uma parte considerável do seu trabalho de promover a Mensagem de Fátima ao problema da falsa obediência na Igreja, relacionado com a crise eclesial prevista no Terceiro Segredo. Foi feito um mal incalculável aos bens da Igreja "sob a capa da obediência" a "ordens" que não são realmente ordens e para as quais não há autoridade. Por exemplo, a "proibição" não-existente da Missa Latina tradicional, denunciada como uma fraude imposta à Igreja por Bento XVI em Summorum Pontificum, que declara que a Missa tradicional "nunca foi juridicamente abrogada" — isto é, nunca foi proibida legalmente, mas apenas proibida de facto sob o falso aspecto de uma ordem de Paulo VI — ordem essa que de facto ele nunca deu, nem tinha poder algum para dar.

Por estes e por outros abusos de poder enganadores é que a Igreja mergulhou na pior crise da sua longa história. Só podemos esperar e rezar pelo fim, ou por uma mudança de rumo milagrosa, deste pontificado atroz, que está a causar uma divisão e perturbações catastróficas na Igreja, e também por um fim a esta crise eclesial de que o tumulto bergogliano não é senão a última e a mais aguda das fases.




amigable a su impresora
Pagina inicial

imagemap for navigation Página inicial Mapa del sitio Contactar Buscar