Homepage
Cruzado
Perspectivas
Fazer uma doação
Acerca de Fátima
Notícias
Documentação
Terceiro Segredo
Consagração
Orações
Livraria
Mesa de trabalho do Padre
Apostolado
Informações
THE FATIMA NETWORK
ImageMap for Navigation Porquê Fátima? Mapa do site Contacto
Cruzada 64: p.o3

Há dois manuscritos
originais do Terceiro Segredo?

por Andrew M. Cesanek

É forçoso perguntar se o Terceiro Segredo de Fátima está totalmente contido num só documento, ou se foi escrito em dois documentos. Parece que há dois documentos contendo o Terceiro Segredo. Mas que provas há para apoiar a existência de um segundo documento?

A existência de dois documentos (um deles uma carta escrita numa só folha de papel, o outro escrito num bloco de apontamentos) é claramente testemunhado por várias pessoas fidedignas, incluindo a Irmã Lúcia, e estas são citadas sobretudo no livro de Frère Michel The Whole Truth About Fatima Volume III: The Third Secret.Os 20.000 exemplares da edição francesa do Volume III do livro de Frère Michel foram publicados em 1985 e 1986 (depois de mais de 4 anos de investigações), e 50.000 exemplares da edição inglesa foram publicados em 1990. Que se saiba, a autenticidade e a profundidade de investigação deste livro nunca foram postas em causa só o Volume III tem mais de 1.150 notas de rodapé, citando numerosos documentos, testemunhas e declarações. As fontes de Frère Michel e os seus testemunhos nunca foram questionados; assim, pode também considerar-se Frère Michel como uma testemunha válida e fidedigna. O livro de Frère François Fatima: Tragedy and Triumph, uma versão abreviada de The Third Secret de Frère Michel, foi também consultado para este artigo. Frère François é também reconhecido como investigador de Fátima, e durante os últimos sete anos, em que saíram 100.000 exemplares do seu livro, não houve críticas dos factos que apresentou, nem da sua investigação.1

A finalidade deste artigo é estabelecer que existem, de facto, dois manuscritos originais sobre o Terceiro Segredo, escritos pela Irmã Lúcia, e que ambos os documentos foram facultados à hierarquia da Igreja. Frère Michel e o Padre Alonso relatam que a Irmã Lúcia declarou, pelas suas próprias palavras, que existem de facto dois documentos. A Irmã Lúcia escreveu ao Bispo da Silva em 9 de Janeiro de 1944:

"Já escrevi o que me mandou: Deus quis provar-me um pouco(,) mas afinal era essa a Sua vontade: Está lacrada dentro dum envelope e este dentro dos cadernos..."2

Frère Michel acrescenta que a Irmã Lúcia entregou ambos os documentos ao Bispo da Silva, Prelado da diocese de Leiria-Fátima, em Junho de 1944:

"A vidente entregou discretamente ao Bispo de Gurza o livro de apontamentos em que tinha colocado o envelope contendo o Segredo. Nessa mesma tarde, o Bispo entregou o envelope ao Bispo da Silva..."3

A tabela que se segue apresenta um resumo dos diferentes factos sobre cada documento, o que nos dá mais uma prova de que, de facto, existem dois manuscritos do Terceiro Segredo de Fátima (ou, pelo menos, existiam até aos anos 80, para que não se prove mais tarde que o primeiro se perdeu ou foi destruído).

Texto N 1 do Terceiro Segredo
Referido por várias testemunhas
Texto N 2 do Terceiro Segredo
Divulgado pelo Vaticano em 26.6.2000
1

Contém as palavras de Nossa Senhora.

Não contém quaisquer palavras de Nossa Senhora.

2

Foi transferido para o Santo Ofícioem 16 de Abril de 1957.

Foi transferido para o Santo Ofício em 4 de Abril de 1957.

3

Foi escrito numa só folha de papel.

Foi escrito em 4 folhas de papel.

4

Tem cerca de 25 linhas.

Tem 62 linhas.

5

Estava pronto em 9 de Janeiro de 1944.

Estava pronto em 3 de Janeiro de 1944.

6

O Papa João Paulo II leu-o em 1978.

O Papa João Paulo II leu-o em 18 de Julho de 1981.

7

O Papa João Paulo II consagrou o Mundo em 7 de Junho de 1981 depois de ler o texto de 1978, mas antes de ler o texto de 4 páginas, que só leu em 18 de Junho de 1981.

Não foi lido pelo Papa antes do acto de consagração do Mundo em 7 de Junho de 1981.

8

Está escrito como uma carta (endereçado e assinado).

Não está escrito como uma carta(nem endereçado nem assinado), mas como uma nota no livro de apontamentos da Irmã Lúcia.

9

Estava guardado à cabeceira do Papa.

Estava guardado no edifício do Santo Ofício.

10

Explica a visão.

Descreve a visão.



Examinemos estes factos, um por um.

Facto N 1:

Documentação de apoio para o Facto N 1
O Texto N 1 contém as palavras de Nossa Senhora

O anúncio do Vaticano transcrito no comunicado da agência noticiosa portuguesa ANI (em Roma) em 8 de Fevereiro de 1960 diz-nos que o texto do Terceiro Segredo (isto é, o Texto N 1 referido na tabela) contém as palavras autênticas de Nossa Senhora:

"Foi recentemente dito, em círculos do Vaticano muito dignos de confiança, aos representantes da United Press International que é muito provável que a carta em que a Irmã Lúcia escreveu as palavras que Nossa Senhora confiou em segredo aos três pastorinhos na Cova da Iria nunca seja aberta."4 [sublinhado do autor]

Temos ainda a declaração da própria Irmã Lúcia a testemunhar que o Terceiro Segredo é nas palavras de Nossa Senhora. Escreve Frère Michel

"... na sua terceira Memória, escrita em Julho-Agosto de 1941, a Irmã Lúcia limitou-se a mencionar a existência de uma terceira parte do Segredo, sem dizer então nada mais sobre isso. Alguns meses mais tarde, na sua quarta Memória, escrita entre Outubro e Dezembro de 1941, resolveu dizer mais. Recopiou quase palavra por palavra o texto da terceira Memória, mas acrescentou a seguir às palavras finais 'e será concedido ao Mundo algum tempo de paz' a nova frase: 'Em Portugal se conservará sempre o dogma da fé, etc.'"5

Esta frase "Em Portugal se conservará sempre o dogma da fé, etc." é de Nossa Senhora. Frère Michel acrescenta:

""De facto, em 1943, quando o Bispo da Silva lhe pediu que escrevesse o texto [do Terceiro Segredo], e ela encontrou obstáculos inultrapassáveis ao cumprimento dessa ordem, ela declarou que não era absolutamente necessário que o fizesse, 'visto que, de certa maneira, já o tinha dito'.6 Estava, sem dúvida, a aludir às dez palavras discretamente acrescentadas em Dezembro de 1941 ao texto do grande Segredo mas acrescentadas tão discretamente que quase ninguém as notou."7 [sublinhado do autor].

Esta frase introduz um pensamento novo e incompleto no Segredo de Fátima. Sugere que há mais para vir; sugere que o "etc." marca o início da terceira parte do Segredo

O manuscrito do Terceiro Segredo (ou seja, o Texto N 2 referido na tabela), divulgado pelo Vaticano em Junho de 2000 e publicado no folheto oficial A Mensagem de Fátima, não contém palavras de Nossa Senhora; descreve a visão do Segredo tida pelas três crianças de Fátima. Além disso, o texto nem explica a nova frase nem o "etc." que a Irmã Lúcia acrescentou ao Segredo de Fátima na sua Quarta Memória. Assim, a seguir à nova frase há mais texto palavras de Nossa Senhora que foram omitidas.

O que se pode concluir sobre o Facto N 1

Estes factos demonstram que há dois documentos: um contém as palavras de Nossa Senhora; o outro descreve a visão das três crianças, mas sem quaisquer palavras atribuídas a Nossa Senhora.

Facto N 2:

Documentação de apoio para o Facto N 2
Datas de transferência diferentes

Frère François informa-nos sobre quando o texto do Terceiro Segredo foi transferido para o Santo Ofício (hoje chamado Congregação para a Doutrina da Fé):

Chegado ao Vaticano em 16 de Abril de 1957, o Segredo foi certamente colocado pelo Papa Pio XII na sua secretária pessoal, numa caixinha de madeira com a inscrição Secretum Sancti Officii (Segredo do Santo Ofício) ."8

É importante notar que o Papa era o chefe do Santo Ofício antes da reorganização feita em 1967 pelo Papa Paulo VI. Era, portanto, apropriado que o Papa mantivesse o Terceiro Segredo na sua posse, e que a caixa que o continha fosse designada como "Segredo do Santo Ofício" como o Papa estava à frente do Santo Ofício, a caixa ficava integrada no arquivo do Santo Ofício.

O folheto do Vaticano A Mensagem de Fátima, lançado em 26 de Junho de 2000, diz que o texto original do Terceiro Segredo, escrito pela Irmã Lúcia, foi transferido para o Santo Ofício em 4 de Abril de 1957. Além disso, o Arcebispo Tarcisio Bertone, Secretário da Congregação para a Doutrina da Fé, declarou:

"O envelope selado foi guardado primeiramente pelo Bispo de Leiria. Para se tutelar melhor o 'segredo', no dia 4 de Abril de 1957 o envelope foi entregue ao Arquivo Secreto do Santo Ofício."9

O que se pode concluir sobre o Facto N 2

A diferença nas datas demonstra que há dois documentos: o documento que continha a visão foi transferido para o Arquivo Secreto do Santo Ofício em 4 de Abril de 1957; o que continha as palavras de Nossa Senhora foi transferido para os aposentos do Papa, que podem considerar-se parte do Santo Ofício, em 16 de Abril de 1957.

daSilva.gif

O Bispo da Silva teve à sua guarda o Terceiro Segredo de 1944 a 1957. No envelope que continha o Segredo (e que se vê ao fundo da fotografia), escreveu pela sua própria mã o:

Este envelope com o seu conteúdo será entregue a Sua Eminência o Sr. Cardeal D. Manuel, Patriarca de Lisboa, depois da minha morte.
Leiria, 8 de Dezembro de 1945.
José, Bispo de Leiria.


Facto N 3:

Documentação de apoio para o Facto N 3
O Texto N 1 é uma folha de papel apenas

O Cardeal Ottaviani, que era Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé em 1967, declarou que tinha lido o Terceiro Segredo e que este estava escrito numa só folha de papel. Testemunhou este facto em 11 de Fevereiro de 1967, durante uma conferência de imprensa por altura de um encontro da Academia Pontifícia Mariana em Roma. Disse o Cardeal Ottaviani:

“E então, o que fez ela [Lúcia] para obedecer à Santíssima Virgem? Escreveu numa folha de papel, em português, o que a Santa Virgem lhe pediu que dissesse..."10 [sublinhado do autor]

O Cardeal Ottaviani é testemunha deste facto. E acrescentou, durante a mesma conferência de imprensa:

"Eu, que tive a graça e o dom de ler o texto do Segredo embora também esteja obrigado a mantê-lo secreto, por tal me ser imposto pelo Segredo..."11

O Padre Alonso refere-se ao facto de que tanto a Irmã Lúcia como o Cardeal Ottaviani disseram que o Segredo estava escrito numa só folha de papel:

"A Lúcia diz-nos que o escreveu numa folha de papel. O Cardeal Ottaviani, que o leu, diz-nos a mesma coisa: 'Ela escreveu numa folha de papel o que a Virgem lhe disse para ela dizer ao Santo Padre'."12 [sublinhado do autor]

Também temos o testemunho do Bispo Venâncio, que era então Bispo Auxiliar de Leiria-Fátima, sobre ter sido encarregado pelo Bispo da Silva (Bispo de Leiria-Fátima) em meados de Março de 1957 de levar exemplares de todos os escritos da Irmã Lúcia incluindo o original do Terceiro Segredo ao Núncio Apostólico em Lisboa, para serem enviados a Roma. Antes de entregar os escritos da Lúcia ao Núncio, o Bispo Venâncio viu contra a luz o envelope contendo o Terceiro Segredo, e viu que o Segredo estava "escrito numa pequena folha de papel".13 Frère Michel identifica em primeiro lugar a natureza deste testemunho.

"Todavia, graças às revelações do Bispo Venâncio, na altura Bispo Auxiliar de Leiria e intimamente envolvido nestes acontecimentos, estamos hoje na posse de muitos factos fidedignos que nós teremos cuidado em não esquecer. Eu próprio recebi-os da boca do Bispo Venâncio em 13 de Fevereiro de 1984, em Fátima. O antigo Bispo de Fátima repetiu-me, quase palavra por palavra, o que já dissera antes ao Padre Caillon, o qual fez um relato muito pormenorizado de tudo isso nas suas conferências."14

Eis o testemunho do Bispo Venâncio, segundo Frère Michel

"O Bispo Venâncio contou que, logo que se viu sozinho, pegou no envelope grande do Segredo e tentou ver o seu conteúdo contra a luz. Dentro do envelope grande do bispo vislumbrou um envelope mais pequeno, o da Lúcia, e dentro deste envelope uma folha de papel vulgar, com margens a toda a volta de três quartos de um centímetro. Teve o cuidado de anotar o tamanho de tudo. Assim, o último Segredo de Fátima foi escrito numa pequena folha de papel."15 [sublinhado do autor]

O manuscrito do Terceiro Segredo divulgado pelo Vaticano em Junho de 2000 estava escrito em quatro folhas de papel.

O que se pode concluir sobre o Facto N 3

Eis mais uma prova em como há dois documentos: um que consiste numa só folha de papel, e outro que consiste em quatro folhas de papel.

Facto N 4:

Documentação de apoio para o Facto N 4 O Texto N 1
compõe-se de 25 linhas manuscritas

Em resultado das provas citadas no Facto N 3, sobre o Terceiro Segredo estar escrito em apenas uma folha de papel, segundo os testemunhos da Irmã Lúcia, do Cardeal Ottaviani, do Bispo Venâncio e do Padre Alonso, Frère Michel e Frère François concordam em que o texto do Terceiro Segredo contém apenas 20 a 30 linhas:

  • "...temos a mesma certeza de que as vinte ou trinta linhas do terceiro Segredo..."16
  • " último Segredo de Fátima, escrito numa pequena folha de papel, não é, portanto, muito longo. Provavelmente vinte a vinte e cinco linhas..."17
  • O Bispo Venâncio olhou "para o envelope [contendo o Terceiro Segredo] que segurava contra a luz. Pôde ver dentro dele uma pequena folha, cujo tamanho exacto mediu. Sabemos assim que o Terceiro Segredo não é muito longo, provavelmente 20 a 25 linhas..."18

Por seu lado, o manuscrito do Terceiro Segredo divulgado pelo Vaticano em Junho de 2000 contém 62 linhas de texto manuscrito.

O que se pode concluir sobre o Facto N 4

Esta discrepância demonstra que há dois documentos: um de 20 a 30 linhas de texto numa só folha de papel, e outro com 62 linhas de texto em quatro folhas de papel.

Facto N 5:

Documentação de apoio para o Facto N 5
O Texto N 1 não estava pronto em 3 de Janeiro

Lúcia tentou pela primeira vez escrever o texto do Terceiro Segredo em Outubro de 1943. De meados desse mês até inícios de Janeiro de 1944, a Irmã Lúcia foi impedida de obedecer a uma ordem formal para escrever o Terceiro Segredo por uma angústia inexprimível, que sentiu durante este período

Este episódio começou em Junho de 1943, quando a Irmã Lúcia adoeceu com pleurisia, o que levou o Cónego Galamba e o Bispo da Silva a temer que ela morresse sem ter revelado o último Segredo. O Cónego Galamba acabou por convencer o Bispo da Silva a sugerir à Irmã Lúcia que escrevesse o Terceiro Segredo. Contudo, a Irmã Lúcia recusou-se a aceitar esta sugestão, porque não queria tomar sobre si a responsabilidade de uma tal iniciativa; mas declarou que obedeceria a uma sua ordem expressa para o escrever. Mortificada por causa desta sugestão expressa, a Irmã Lúcia temia que ainda não tivesse permissão de Nosso Senhor para revelar o Terceiro Segredo, sem uma ordem formal do seu Bispo.

Em meados de Outubro de 1943, o Bispo da Silva deu finalmente à Irmã Lúcia a ordem formal de escrever o Terceiro Segredo. A Irmã Lúcia preparou-se então para obedecer à ordem do Bispo, mas não foi capaz de o fazer nos dois meses e meio seguintes. Só conseguiu superar estas dificuldades e escrever o Segredo por intervenção divina, por a Bem-Aventurada Virgem Maria lhe ter aparecido em 2 de Janeiro de 1944 para a fortalecer e lhe confirmar que era de facto a vontade de Deus que ela escrevesse as palavras do último Segredo.19 Mas só em 9 de Janeiro de 1944 a Irmã Lúcia escreveu a seguinte nota ao Bispo da Silva, informando-o de que o Segredo estava finalmente escrito:

"Já escrevi o que me mandou: Deus quis provar-me um pouco(,) mas afinal era essa a Sua vontade: Está lacrada dentro dum envelope e este dentro dos cadernos..."20

O manuscrito do Terceiro Segredo divulgado pelo Vaticano em Junho de 2000 indica que o texto original do Terceiro Segredo, escrito pela Irmã Lúcia, estava pronto em 3 de Janeiro de 1944, como se infere do facto de esta data aparecer no fim do documento de quatro páginas manuscrito pela Irmã Lúcia.21 Além disso, o Arcebispo Bertone diz-nos:

"A terceira parte do 'segredo' foi escrita 'por ordem de Sua Ex Revm o Senhor Bispo de Leiria e da (...) Santíssima Mã e', no dia 3 de Janeiro de 1944."22

O que se pode concluir sobre o Facto N 5

Considerando as dificuldades com que a Irmã Lúcia se defrontou ao longo de dois meses e meio, não teria ela informado o Bispo da Silva logo que o documento estivesse pronto? Se ela tinha completado o documento em 3 de Janeiro, por que razão esperaria até 9 de Janeiro para informar o seu Bispo? Daqui podemos concluir que o texto do Terceiro Segredo só estava pronto em 9 de Janeiro de 1944 ou pouco antes dessa data.

A diferença de datas também demonstra que há dois documentos: o documento contendo a visão foi completado em 3 de Janeiro de 1944; o documento com as palavras de Nossa Senhora a explicar a visão foi completado em 9 de Janeiro de 1944 ou muito perto dessa data

Admitimos que esta conclusão depende de provas circunstanciais mas os estudiosos de Fátima estão reduzidos a este tipo de provas pelo facto de as autoridades de Fátima reterem desde 1976 a publicação das obras do Padre Joaquín Alonso, que contém 5.000 documentos em 14 volumes, resultado de 11 anos de investigação do Padre Alonso até àquele ano. O Padre Alonso foi o arquivista oficial de Fátima durante 16 anos. Todas as outras conclusões deste artigo, com a excepção possível do Facto N 10, não dependem de provas circunstanciais.

Facto N 6:

Documentação de apoio para o Facto N 6
Discrepância nas datas em que o Papa leu o Segredo pela primeira vez

Em 1 de Julho de 2000, The Washington Post noticiou que as autoridades do Vaticano apresentaram recentemente datas contraditórias sobre quando o Papa João Paulo II teria lido o Terceiro Segredo pela primeira vez.

"Em 13 de Maio, o porta-voz do Vaticano Joaquín Navarro-Valls disse que o Papa tinha lido o Segredo pela primeira vez dias depois de subir ao papado em 1978. Na segunda-feira, um assessor do Cardeal Joseph Ratzinger, Prefeito da Congregação do Vaticano para a Doutrina da Fé, disse que o Papa viu-o pela primeira vez no hospital depois do atentado."23 [sublinhados do autor]

Um artigo do número de 26 de Junho de 2000 do New York Times identificava o assessor do Cardeal Ratzinger:

"João Paulo II leu pela primeira vez o texto do terceiro segredo de Fátima depois do atentado', disse aos jornalistas Monsenhor Tarcisio Bertone, um dos principais assessores de Ratzinger, durante uma conferência de imprensa para apresentar o documento."24 [sublinhado do autor]

Segundo o folheto do Vaticano A Mensagem de Fátima, divulgado em 26 de Junho de 2000, o manuscrito do Terceiro Segredo de Junho de 2000 só foi lido pelo Papa João Paulo II em 18 de Julho de 1981. O Arcebispo Bertone diz-nos:

"João Paulo II, por sua vez, pediu o envelope com a terceira parte do 'segredo' após o atentado de 13 de Maio de 1981. Sua Eminência o Cardeal Franjo Seper, Prefeito da Congregação, a 18 de Julho de 1981 entregou a Sua Ex Revm D. Eduardo Martínez Somalo, Substituto da Secretaria de Estado, dois envelopes: um branco, com o texto original da Irmã Lúcia em língua portuguesa; outro cor de laranja, com a tradução do 'segredo' em língua italiana. No dia 11 de Agosto seguinte, o Senhor Arcebispo D. Martínez Somalo devolveu os dois envelopes ao Arquivo do Santo Ofício."25

O que se pode concluir sobre o Facto N 6

Todas estas declarações são verdadeiras e podem reconciliar-se se houver dois documentos: o Papa leu em 1978 o documento de uma página contido no envelope e reproduzindo as palavras de Nossa Senhora, e leu o documento de quatro páginas a descrever a visão em 18 de Julho de 1981.

Facto N 7:

Documentação de apoio para o Facto N 7
O Texto N 1 inspirou o Papa a consagrar o Mundo

Logo a seguir à declaração do Arcebispo Bertone citada no Facto N 6, o Arcebispo continua nos seguintes termos:

"Como é sabido, o Papa João Paulo II pensou imediatamente na consagração do mundo ao Imaculado Coração de Maria e compôs ele mesmo uma oração para o designado 'Acto de Entrega', que seria celebrado na Basílica de Santa Maria Maior a 7 de Junho de 1981..."26

O que se pode concluir sobre o Facto N 7

Como podia o Papa João Paulo II ser levado pelo Terceiro Segredo a consagrar o Mundo ao Imaculado Coração de Maria em 7 de Junho de 1981, se segundo o Arcebispo Bertone, citado em A Mensagem de Fátima o Papa só teria lido o Terceiro Segredo em 18 de Julho de 1981, seis semanas mais tarde?

Novamente, ambas as declarações são verdadeiras, e pode reconciliar-se a discrepância se houver dois documentos do Terceiro Segredo: o Papa leu o documento de uma página com as palavras de Nossa Senhora em 1978 texto esse que o levou a consagrar o Mundo em 7 de Junho de 1981 e leu o documento de quatro páginas a descrever a visão em 18 de Julho de 1981. Note-se que embora seja bem sabido que Nossa Senhora de Fátima só pediu a consagração específica da Rússia, o Papa João Paulo II obviamente considera que estes actos de consagração do Mundo preparam o terreno para a altura em que ele se sinta finalmente livre para fazer a consagração da Rússia.

Facto N 8:

Documentação de apoio para o Facto N 8
O Texto N 1 é uma carta

É a própria Irmã Lúcia que nos diz que o Terceiro Segredo foi escrito como uma carta. Temos o depoimento escrito do Padre Jongen, que interrogou a Irmã Lúcia em 3-4 de Fevereiro de 1946:

"'Já revelou duas partes do Segredo. Quando chegará a altura da terceira parte?' Ao que ela respondeu: 'Comuniquei a terceira parte numa carta ao Bispo de Leiria."27 [sublinhado do autor]

O Patriarca de Lisboa declarou em Fevereiro de 1960:

"O Bispo da Silva meteu (o envelope fechado pela Lúcia) noutro envelope, no qual escreveu que a carta devia ser aberta em 1960 por ele, Bispo José Correia da Silva, se ainda fosse vivo, ou, em caso contrário, pelo Cardeal Patriarca de Lisboa." [sublinhado do autor]. "28 [sublinhado do autor]

Em 1959, o Bispo Venâncio, então o novo Bispo de Leiria, declarou:

"Penso que a carta não será aberta antes de 1960. A Irmã Lúcia pediu que não fosse aberta antes da sua morte, ou então em 1960. Ora bem: estamos em 1959, e a Irmã Lúcia goza de boa saúde."29 [sublinhado do autor]

O comunicado do Vaticano de 8 de Fevereiro de 1960 (reproduzido pela agência noticiosa portuguesa A.N.I.) diz-nos também que o texto do Terceiro Segredo foi escrito como uma carta:

"... é muito provável que nunca venha a ser aberta a carta em que a Irmã Lúcia escreveu as palavras que Nossa Senhora confiou aos três pastorinhos, como um segredo, na Cova da Iria..."30 [sublinhado do autor]

O texto da visão do Terceiro Segredo foi também identificado como sendo uma carta pelo folheto do Vaticano A Mensagem de Fátima, divulgado em 26 de Junho de 2000. Todavia, o manuscrito da visão do Terceiro Segredo não está escrito como uma carta. Vejamos:

  1. Não está endereçado a ninguém;
  2. Está datado no fim apesar de, segundo é costume em Portugal desde o século XVIII, as cartas serem datadas no princípio, e não no fim;
  3. Não está assinado pela Irmã Lúcia ou por qualquer outra pessoa;
  4. É evidente que não é uma carta.

As memórias da Irmã Lúcia publicadas até hoje incluem cópias de cartas suas; e todas estas cartas têm destinatário, data e assinatura. Poderemos, assim, deduzir que o documento de uma página pronto em 9 de Janeiro de 1944 é uma carta dirigida a alguém (a Irmã Lúcia disse ao Padre Jongen em Fevereiro de 1946 que a mandara ao Bispo de Leiria) e está assinada pela Irmã Lúcia.

A Irmã Lúcia teve a escolha de escrever o Terceiro Segredo numa carta ou no seu livro de apontamentos; e decidiu escrevê-lo em ambos. Segundo o Padre Alonso, a Irmã Lúcia escreveu em 9 de Janeiro de 1944 ao Bispo da Silva:

"Já escrevi o que me mandou: Deus quis provar-me um pouco(,) mas afinal era essa a Sua vontade: Está lacrada dentro dum envelope e este dentro dos cadernos ..."31

Frère Michel relata que, em 17 de Junho de 1944:

"A vidente entregou discretamente ao Bispo de Gurza o livro de apontamentos em que tinha colocado o envelope contendo o Segredo. Nessa mesma tarde, o Bispo entregou o envelope ao Bispo da Silva..."32

O que se pode concluir sobre o Facto N 8

Isto demonstra que há dois documentos. A Irmã Lúcia escreveu o texto do Terceiro Segredo com as palavras de Nossa Senhora numa carta de uma página; também escreveu 4 páginas de texto no seu livro de apontamentos a descrever a visão correspondente. Foram essas 4 páginas de texto, que é evidente que não constituem uma carta, que o Vaticano divulgou em 26 de Junho de 2000 como sendo o manuscrito do Terceiro Segredo.


Fotografia de Robert Serrou, publicada no Paris-Match, que mostra o cofre de madeira nos aposentos papais onde estava guardado o Terceiro Segredo.


Facto N 9:

Documentação de apoio para o Facto N 9
O Texto N 1 foi guardado nos aposentos papais

Frère Michel refere-se ao testemunho do jornalista Robert Serrou que, quando estava a fazer uma reportagem fotográfica no Vaticano em 14 de Maio de 195733 cerca de um mês depois de o Terceiro Segredo ter chegado a Roma, em 16 de Abril de 1957 , descobriu que o Terceiro Segredo estava guardado nos aposentos do Papa, à sua cabeceira. Diz-nos Frère Michel:

"... sabemos hoje que o precioso envelope enviado para Roma por Monsenhor Cento não foi colocado no arquivo do Santo Ofício, mas que Pio XII quis guardá-lo nos seus próprios aposentos.

"O Padre Caillon obteve esta informação da boca do jornalista Robert Serrou, que por sua vez o obteve da Madre Pasqualina do seguinte modo: Robert Serrou estava a fazer uma reportagem fotográfica para o Paris-Match nos aposentos de Pio XII. A Madre Pasqualina a mulher de grande senso comum que dirigia as várias Irmã s que serviam de governantas do Papa, e que por vezes recebia as suas confidências estava presente.

"Perante um cofrezinho de madeira colocado sobre a mesa e tendo a inscrição 'Secretum Sanctii Officii' (Segredo do Santo Ofício), o jornalista perguntou à Madre: 'Madre, o que está neste cofrezinho?' Respondeu ela: 'Está ali o terceiro Segredo de Fátima...' A fotografia deste cofre que reproduzimos aqui foi publicada no Paris-Match34 ano e meio mais tarde...”

A fotografia deste cofre foi publicada no número de 18 de Outubro de 1958 do Paris-Match, e é aqui reproduzida: 35

Os pormenores do testemunho de Serrou foram mais tarde confirmados por uma carta que ele escreveu a Frère Michel em 10 de Janeiro de 1985, em que se pode ler:

"É exacto que a Madre Pasqualina me disse, ao mostrar-me um cofrezinho com uma etiqueta em que se lia 'Segredo do Santo Ofício': 'Está ali o terceiro Segredo de Fátima.'"36

O folheto do Vaticano A Mensagem de Fátima, divulgado em 26 de Junho de 2000, diz-nos que o Terceiro Segredo estava guardado no edifício onde funciona o Santo Ofício. O Arcebispo Tarcisio Bertone, Secretário da Congregação para a Doutrina da Fé, declarou:

"O envelope selado foi guardado primeiramente pelo Bispo de Leiria. Para se tutelar melhor o 'segredo', no dia 4 de Abril de 1957 o envelope foi entregue ao Arquivo Secreto do Santo Ofício."37

Além disso, já demonstrámos no Facto N 6 que o Papa João Paulo II leu o texto do Terceiro Segredo (isto é, o documento de uma página com as palavras de Nossa Senhora) em 1978, e o documento de quatro páginas descrevendo a visão em 18 de Julho de 1981. Como se disse no Facto N 6, foi anotado no arquivo do Santo Ofício que o Papa João Paulo II pediu o Terceiro Segredo em 1981, mas não há indícios de o Papa o ter pedido em 1978, porque não era preciso fazê-lo.

O que se pode concluir sobre o Facto N 9

Estes factos demonstram que há dois documentos guardados em dois sítios diferentes e em dois arquivos diferentes. Em 1978 o Papa João Paulo II leu o texto da carta de uma página com as palavras de Nossa Senhora, que estava guardado nos seus aposentos, o que significa que o Papa não precisava de o pedir ao Arquivo Secreto do Santo Ofício. Em 1981 o Papa João Paulo II leu as 4 páginas de texto com a descrição da visão, tiradas do livro de apontamentos da Irmã Lúcia, que estavam guardadas no edifício do Santo Ofício texto este que teve de pedir ao Arquivo Secreto do Santo Ofício.

(Transcrição do texto da Visão do Terceiro Segredo divulgado pelo Vaticano)

J.M.J.

A terceira parte do segredo revelado a 13 de Julho de 1917 na Cova da Iria-Fátima.

Escrevo em acto de obediência a Vós Deus meu, que mo mandais por meio de sua Ex.cia Rev.ma o Senhor Bispo de Leiria e da Vossa e minha Santíssima Mãe.

"Depois das duas partes que já expus, vimos ao lado esquerdo de Nossa Senhora um pouco mais no alto um Anjo com uma espada de fogo na mão esquerda; ao cintilar emitia chamas que incendiavam o mundo; mas apagavam-se com o contacto com o esplendor que Nossa Senhora irradiava com a Sua mão direita dirigida contra ele; o Anjo indicando a terra com a sua mão direita disse com forte voz: Penitência, Penitência, Penitência! E vimos em uma imensa luz que é Deus: 'algo semelhante ao que vêem as pessoas em um espelho quando passam diante dele" um Bispo vestido de Branco e tivemos o pressentimento de que era o Santo Padre'. Também outros bispos, sacerdotes, religiosos e religiosas a subir uma montanha empinada, em cujo cume havia uma grande Cruz de madeira tosca como se fosse a casca de uma árvore; o Santo Padre, antes de chegar até ela, atravessou uma grande cidade meio em ruínas e tremendo com passo vacilante, aflito com a dor e a pena, rezando pelas almas dos cadáveres que encontrava pelo caminho; chegado ao cume do monte, prostrado de joelhos aos pés da grande Cruz, foi morto por um grupo de soldados que dispararam vários tiros de armas de fogo e flechas; e do mesmo modo morreram um atrás do outro bispos, sacerdotes, religiosos e religiosas e diversas pessoas seculares, homens e mulheres de diversas classes e posições. Sob os dois braços da Cruz havia dois Anjos, cada um com uma jarra de cristal na mão, nas quais recolhiam o sangue dos Mártires e regavam com ele as almas que se aproximavam de Deus.
Tuy-3-1-1944".

Facto N 10:

Documentação de apoio para o Facto N 10
O Texto N 1 explica a visão

Lê-se na "Quarta Memória" da Irmã Lúcia que, durante a aparição de Nossa Senhora de 13 de Junho de 1917, depois de a Irmã Lúcia ter pedido a Nossa Senhora que levasse os três videntes para o Céu, Nossa Senhora respondeu:

"Sim; a Jacinta e o Francisco levo-os em breve. Mas tu ficas cá mais algum tempo. Jesus quer servir-Se de ti para Me fazer conhecer e amar. Ele quer estabelecer no mundo a devoção a Meu Imaculado Coração. A quem a abraçar, prometo a salvação..."38

Em seguida, a Irmã Lúcia descreve-nos a visão que os três pastorinhos tiveram o privilégio de ter, logo a seguir a Nossa Senhora ter dito aquelas palavras palavras essas que explicam o significado da visão.

"Foi no momento em que [Nossa Senhora] disse estas últimas palavras que abriu as mã os e nos comunicou, pela segunda vez, o reflexo dessa luz imensa. Nela nos víamos como que submergidos em Deus. A Jacinta e o Francisco pareciam estar na parte dessa luz que se elevava para o Céu e eu na que se espargia sobre a terra."39

Vemos, pois, que Nossa Senhora apresenta uma visão às crianças e explica-a também.

No folheto do Vaticano A Mensagem de Fátima, divulgado em 26 de Junho de 2000, lemos a descrição (tirada da sua "Terceira Memória") que a Irmã Lúcia fez da visão do Inferno que os três pastorinhos tiveram durante a aparição de Nossa Senhora de 13 de Julho de 1917:

"Nossa Senhora mostrou-nos um grande mar de fogo que pareceu penetrar a terra. Mergulhados nesse fogo os demónios e as almas, como se fossem brasas transparentes e negras, ou bronzeadas com forma humana, que flutuavam no incêndio levadas pelas chamas que delas mesmas saíam, juntamente com nuvens de fumo, caindo para todos os lados, semelhante ao cair das faúlhas nos grandes incêndios, sem peso nem equilíbrio, entre gritos e gemidos de dor e desespero que horrorizava e fazia estremecer de pavor. Os demónios distinguiam-se por formas horríveis e asquerosas de animais espantosos e desconhecidos, mas transparentes como negros carvões em brasa. Esta vista foi um momento, e graças à nossa boa Mã e do Céu que antes nos tinha prevenido com a promessa de nos levar para o Céu (na primeira apariçã o); se assim não fosse, creio que teríamos morrido de susto e pavor."40

Em seguida, a Irmã Lúcia apresenta as palavras de Nossa Senhora a explicar o significado desta visã o:

"Vistes o inferno, para onde vão as almas dos pobres pecadores. Para as salvar, Deus quer estabelecer no mundo a devoção ao Meu Imaculado Coração. Se fizerem o que Eu vos disser, salvar-se-ão muitas almas e terão paz."41 [sublinhado do autor]

Embora as crianças soubessem o que tinham visto, Nossa Senhora disse-lhes: "Vistes o Inferno". Mais uma vez, observamos que Nossa Senhora apresenta uma visão às crianças e explica-a também.

Contrastando com a descrição que apresentamos das visões e das respectivas palavras de Nossa Senhora a explicá-las, só lemos a descrição de uma visão (parte da qual reproduzimos a seguir) no folheto do Vaticano A Mensagem de Fátima, divulgado em 26 de Junho de 2000:

"Depois das duas partes que já expus, vimos do lado esquerdo de Nossa Senhora um pouco mais ao alto um Anjo com uma espada de fogo na mão esquerda... Sob os dois braços da Cruz havia dois Anjos cada um com uma jarra de cristal na mão, nas quais recolhiam o sangue dos Mártires e regavam com ele as almas que se aproximavam de Deus."42

Todavia, o manuscrito do Terceiro Segredo divulgado pelo Vaticano em 26 de Junho de 2000 não contém quaisquer palavras de Nossa Senhora.

O que se pode concluir sobre o Facto N 10

Onde estão as palavras de Nossa Senhora a explicar esta visã o? Se Nossa Senhora não disse nada que explicasse a visão, isto não estaria de acordo com situações semelhantes no decurso das aparições; nem estaria de acordo com as provas que já citámos no Facto N 1.

Se a autoridade docente ou seja, o próprio Papa não impõe uma interpretação específica desta visão e não impõe (ou seja, outra interpretação pode também ser válida), e se não tivermos a graça de compreender esta visão por nós próprios, estamos perante mais uma razão para crer que Nossa Senhora nos explicaria o significado da visão do Terceiro Segredo de Fátima. De facto, o Cardeal Ratzinger diz-nos que o "Comentário Teológico" do folheto do Vaticano A Mensagem de Fátima, divulgado em 26 de Junho de 2000, é uma tentativa de interpretação da visão do Terceiro Segredo. Nesse "Comentário Teológico", o Cardeal Ratzinger declara:

"Sendo assim, limitar-nos-emos, naquilo que vem a seguir, a dar de forma profunda um fundamento à referida interpretaçã o, partindo dos critérios anteriormente desenvolvidos."43 [sublinhado do autor]

O Cardeal Ratzinger também confirmou, numa conferência de imprensa, que não se está a impor uma interpretação específica desta visão. Em 1 de Julho de 2000, The Washington Post relatava:

"Sendo-lhe pedido um comentário sobre a leitura que o Papa fez da visão, Ratzinger disse que não havia 'qualquer interpretação oficial', e que o texto não é dogma."44 [sublinhado do autor]

Conclusão sobre os factos apresentados
quanto à existência de dois manuscritos originais
escritos pela Irmã Lúcia sobre o Terceiro Segredo

Concluímos que há provas esmagadoras da existência de dois documentos. Um documento consiste nas 4 folhas de papel com 62 linhas de texto, copiadas do livro de apontamentos da Irmã Lúcia (não escritas como uma carta), que descreve uma visão que as crianças de Fátima tiveram; não contém quaisquer palavras de Nossa Senhora. Este texto foi escrito pela Irmã Lúcia em 3 de Janeiro de 1944, transferido para o Santo Ofício em 4 de Abril de 1957, lido pelo Papa João Paulo II em 18 de Julho de 1981 (mas sem o levar a consagrar o Mundo ao Imaculado Coração de Maria em 7 de Junho de 1981), foi conservado no Santo Ofício, e divulgado pelo Vaticano em 26 de Junho de 2000.

O outro documento é a carta de uma página com cerca de 25 linhas e as palavras de Nossa Senhora. Este texto foi escrito pela Irmã Lúcia em 9 de Janeiro de 1944 ou muito perto dessa data, transferido para o Santo Ofício em 16 de Abril de 1957, lido pelo Papa João Paulo II em 1978 (levando-o a consagrar o Mundo ao Imaculado Coração de Maria em 7 de Junho de 1981), ficou guardado nos aposentos do Papa à sua cabeceira, e continua sem ser divulgado pelo Vaticano.

O outro manuscrito: O que devemos fazer

Bibliografia selecta:
  • FTT: Frere Francois de Marie des Anges, Fatima: Tragedy and Triumph, Immaculate Heart Publications, Buffalo, New York, U.S.A., 1994, 370 páginas.


  • SFR: Frère Michel de la Sainte Trinité, The Secret of Fatima ... Revealed, Immaculate Heart Publications, Fort Erie, Ontario, Canada, 1986, 32 páginas.


  • VSF: Padre Joaquín Alonso, La Verdad sobre el Secreto de Fátima. "Fátima sin mitos". Ejército Azul, Edições Sol de Fátima, Madrid, Espanha, 1976, 119 páginas.


  • WTAF - Vol. I: Frere Michel de la Sainte Trinite, The Whole Truth About Fatima - Volume I: Science and the Facts, Immaculate Heart Publications, Buffalo, New York, U.S.A., 1989, 556 páginas.


  • WTAF - Vol. III: Frere Michel de la Sainte Trinite, The Whole Truth About Fatima - Volume III: The Third Secret, Immaculate Heart Publications, Buffalo, New York, U.S.A., 1990, 874 páginas.


  • Irmã Lúcia, Memorias e Cartas da Irma Lucia, Porto, Portugal, 1973, 472 páginas, edited by Father Antonio Maria Martins.


  • Irmã Lúcia, Fatima in Lucia's Own Words, Postulation Centre, Fatima, Portugal, 1976, 208 páginas.


  • Arcebispo Tarcisio Bertone, SDB e Cardeal Joseph Ratzinger, The Message of Fatima, 26 de Junho de 2000 [tradução nossa].
NOTAS:
1. Algumas das provas que apresentamos baseiam-se em evidência circunstancial. Há duas razões para tal: (1) desde 1976 que as autoridades religiosas (por exemplo, o Bispo de Leiria-Fátima e o Provincial das Clarissas em Madrid, Espanha) têm impedido a publicação de mais de 5.000 documentos originais em 14 volumes escritos pelo Padre Alonso, na altura o arquivista oficial de Fátima; e (2) o prazo inamovível para a publicação deste artigo, que só permitiu uma semana para a investigação e para o escrever, comparado com a história da supressão do Terceiro Segredo, que dura há 40 anos.
2. Citado pelo Padre Alonso, Fátima 50, 13 de Outubro de 1967, p. 11. Cf. também Frère Michel, WTAF Vol. III, p. 47.
3. Frère Michel, WTAF Vol. III, p. 49.
4. Cf. Padre Joaquín Alonso, VSF, p. 49, e Frère Michel, WTAF Vol. III, p. 578.
5. Frère Michel, WTAF Vol. III, p. 684.
6. Padre Alonso, VSF, p. 65: "(…) Lúcia, nas suas enormes dificuldades para escrever esse 'resto' [do segredo], lamentava-se dizendo que não era necessário, pois já então [com a frase 'Em Portugal se conservará sempre o dogma da Fé'] o tinha dito com clareza.". Cf. também Frère Michel, WTAF Vol. III, p. 684.
7. Frère Michel, WTAF Vol. III, p. 684.
8. Frère François, FTT, p. 45.
9. Introdução do Arcebispo Tarcisio Bertone em The Message of Fatima, 26 de Junho de 2000, p. 4.
10. Frère Michel, WTAF Vol. III, p. 725.
11. Frère Michel, WTAF Vol. III, p. 727.
12. Padre Alonso, VSF, p. 60. Cf. também Frère Michel, WTAF Vol. III, p. 651, e a nota 4 de Frère François, FTT, p. 289.
13. Frère François, FTT, p. 45. Cf. também Frère Michel, SFR, 1986, p. 7.
14. Frère Michel, WTAF Vol. III, p. 480. Cf. também a obra do Padre Geraldes Freire O Segredo de Fátima: A terceira parte é sobre Portugal? , p. 50-51.
15. Frère Michel, WTAF Vol. III, p. 481.
16. Frère Michel, WTAF Vol. III, p. 626.
17. Frère François, FTT, p. 45.
18. Frère Michel, SFR, p. 7.
19. Frère Michel, WTAF Vol. III, p. 38-46.
20. Citado pelo Padre Alonso, Fátima 50, p. 11. Cf. também Frère Michel, WTAF Vol. III, p. 47.
21. Texto original da Irmã Lúcia, em The Message of Fatima, p. 20.
22. Introdução do Arcebispo Tarcisio Bertone em The Message of Fatima, p. 4.
23. Bill Broadway e Sarah Delancy, "3rd Secret spurs more questions; Fatima interpretation departs from vision", em The Washington Post de 1 de Julho de 2000.
24. The Associated Press, "Vatican: Fatima is no Doomsday prophecy", em The New York Times de 26 de Junho de 2000.
25. Introdução do Arcebispo Tarcisio Bertone em The Message of Fatima, p. 5.
26. Ibid.
27. Revista Médiatrice et Reine de Outubro de 1946, p. 110-112. Cf. também Frère Michel, WTAF Vol. III, p. 470.
28. Novidades de 24 de Fevereiro de 1960, citado por La Documentation Catholique de 19 de Junho de 1960, col. 751. Cf. também Frère Michel, WTAF Vol. III, p. 472.
29. Padre Alonso, VSF, p. 39-40. Cf. também Frère Michel, WTAF Vol. III, p. 478.
30. Cf. Padre Alonso, VSF, p. 49, e Frère Michel, WTAF Vol. III, p. 578.
31. Citado pelo Padre Alonso, Fátima 50, p. 11. Cf. também Frère Michel, WTAF Vol. III, p. 47.
32. Frère Michel, WTAF Vol. III, p. 49.
33. Ibid., p. 485-486.
34. Ibid., p. 484-485.
35. Cf. a nota 47 em Frère Michel, WTAF Vol. III, p. 501.
36. Carta a Frère Michel de la Sainte Trinité de 10 de Janeiro de 1985. Cf. também Frère Michel, WTAF Vol. III, p. 486.
37. Introdução do Arcebispo Tarcisio Bertone em The Message of Fatima, p. 4.
38. Relato da Irmã Lúcia ao seu confessor, Padre Aparício, em finais de 1927. Cf. Memórias da Irmã Lúcia, p. 143-145.
39. Memórias da Irmã Lúcia, p. 145. Cf. também WTAF Vol. I, p. 159.
40. Texto original da Irmã Lúcia; cf. a tradução inglesa em The Message of Fatima, p. 15-16. Cf. também Fatima in Lucias Own Words, p. 162, Memórias da Irmã Lúcia, p. 148, e Memórias e Cartas da Irmã Lúcia, p. 338-341.
41. Texto original da Irmã Lúcia; cf. a tradução inglesa em The Message of Fatima, p. 16. Cf. também Fatima in Lucias Own Words, p. 162, Memórias da Irmã Lúcia, p. 148, e Memórias e Cartas da Irmã Lúcia, p. 340-341.
42. Texto original em português; cf. a tradução inglesa no livrinho divulgado pelo Vaticano, The Message of Fatima, p. 21.
43. Cardeal Joseph Ratzinger, "Theological Commentary", The Message of Fatima, p. 39.
44. Bill Broadway e Sarah Delancy, The Washington Post.